Projeto: Desapegando de Livros

Uma das palavras chaves que determinei para mim em 2016 é desapego de coisas que eu costumo acumular e que não na prática não têm mais utilidade. Desde a metade do ano passado estou limpando meu guarda-roupa e gavetas, nesse processo joguei muita coisa fora, doei o que estava bom, e descobri peças que eu nem lembrava mais que tinha, isso me ajudou muito a frear o consumismo desnecessário, e me fez ter mais consciência do meu espaço, das minhas preferências na hora de me vestir, e da importância de investir no que eu realmente preciso. 

Comecei a "desapegar" de várias coisas que não faziam mais sentido para mim tê-las até que cheguei nos meus livros

Pensar em tirar qualquer livro da minha estante em um primeiro momento me pareceu um exagero, pois venho doando e vendendo livros no sebo com frequência, mas mesmo assim nunca tenho espaço suficiente nas minhas estantes, tenho pilhas de livros espalhadas pelo meu quarto, e uma lista cheia de livros que eu tenho, mas nunca consigo ler, e falta de tempo já não é  mais uma desculpa tão boa. 

Para mim desapegar de parte dos meus livros não é um ato radical ou um novo estilo a que eu estou querendo me adaptar, é necessidade mesmo. Mas, o principal motivo para eu tomar a minha decisão de desapego definitiva é que observando com mais atenção meus livros eu notei que:

1) Muitos dos livros que  tenho há anos e não li até hoje é porque eu realmente não quero ler, não os comprei ou ganhei e alguns deles não me instigam a sua leitura em um futuro próximo, OU

2) Livro que eu já li e não tenho vontade de reler

Qual seria o sentido de continuar a ter esse livros? 

Eu sei porque eu os guardei até agora, alguns ficam bonitos na minha estante, outros só servem para me lembrar que eu preciso lê-los, mas a vontade nunca surge.

Como realmente começar colocar em pratica esse "projeto" de desapego literário na minha vida surgiu com a leitura do post Como desapegar de livros do blog Less is the new black que eu leio sempre e adoro, em que a autora Dani Kopsch listou algumas razões para o desapego de livros ser adotado:

– O conhecimento circula ao invés de ficar parado na estante. 
– Você não gasta dinheiro com livros novos enquanto tem uma fila de espera na estante. 
– Com poucos livros em casa, você finalmente pode colocar sua leitura em dia.
 – Você vai ter prateleiras apenas com livros que você adora. 
– Sem os clássicos obrigatórios e os “livros para os outros verem na estante”, o seu estilo fica visível.
Eu que já pensava há muito tempo em desapegar de parte dos meus livros ler essas razões para efetivamente concretizar o projeto Desapegando de Livros desejo me animou muito!

A ideia é selecionar quais livros irei doar, vender, e os que irão ficar até que eu esteja satisfeita com a minha estante e sem mais livros espalhados pela minha casa enquanto outras pessoas poderiam estar  lendo.

Vamos circular conhecimento e entretenimento! 

RETROSPECTIVA LITERÁRIA 2015 - TOP(s) #3


De forma geral 2015 não será um ano que eu irei me recordar com carinho ou algum tipo de saudades, na verdade estou contando os segundos para a chegada de 2016 e toda a renovação de energias que só a virada de ano promete. Mas, em relação as minhas leituras esse ano foi gratificante, pois eu consegui mesmo cursando o ano mais difícil na minha faculdade de Direito ler bons livros, e muitos quadrinhos. 

Em 2015 comecei a ler quadrinhos de verdade, eu já havia lido antes, mas nada comparado ao quanto que eu li este ano em que eu amentei mais de 90% minha coleção de quadrinhos. Em junho eu escrevi o post O Vício de Ler Quadrinhos em que expliquei porque esta 9º arte me agrada tanto, e são por essa razões que tenho certeza que esse novo hábito me acompanhará pela vida agora. É um universo de leituras novo para mim, com muitas histórias icônicas e artistas que ainda preciso conhecer. 


Minha primeira HQ lida no ano foi V de Vingança, clássico que entrou paro ranking de melhores histórias que já li. A menção honrosa vai para a obra Pétalas dos artistas brasileiros Gustavo Borges e Cris Peter, história que é puro amor, colorização e desenhos perfeitos. 
2015 também foi o ano que me entreguei completamente para os quadrinhos de super heróis, e decidi aumentar a minha coleção de histórias do meu herói favorito, o advogado Matt Murdock, também conhecido como Demolidor. Li muitas histórias clássicas (ou não) do Demolidor e me diverti bastante, isso foi tão marcante em 2015 que farei um TOP #3 só das minhas leituras favoritas do herói.

3. Demolidor #1 - Um Novo Começo
2. Demolidor: Revelado 
1. Demolidor - Diabo da Guarda

Feita a menção honrosa e muito merecida aos histórias mais legais que li do Demolidor em 2015,  agora vamos falar sobre o meu top de quadrinhos em geral, lembrando que eu comecei a ler muito quadrinhos somente nesse ano, por isso a maioria das obras que eu estou citando são antigas e eu tive que correr atrás delas em sebos, bancas, e lojas especializadas para conseguir tê-las na minha estante. 

3. Homem-Aranha: Azul
2. X-Men: A Saga da Fênix Negra
1. Marvels

Claro que o primeiro lugar só poderia ser de Marvels, preciso urgentemente fazer resenha deste material aqui no blog, que além de ter um roteiro muito bem bolado, a arte é uma coisa linda demais de se ver, a cada página que eu passava meus olhos brilhavam, com certeza é o melhor traço de quadrinhos eu eu já li. Homem Aranha "Azul" é uma história triste e muito romântica, e os traços são lindos também, história que não poderia faltar o meu top três. A Saga da Fênix Negra foi o
grande clássico dos X-Men que pude ler neste ano, tudo que já li dos mutantes até hoje foi muito bom, mas esta história em particular é excepcional. 


E finalmente vamos aos livros! À Espera de um Milagre foi o primeiro livro que li do famoso escritor Stephen King e esse livro é muito marcante. Terminei de ler a trilogia Anna, Lola e Isla em Isla e o Final Feliz, leitura muito prazerosa e livro perfeito para representar o gênero romance na minha lista de leituras de 2015. Finalmente terminei de ler a série Os Heróis do Olimpo em O Sangue do Olimpo, do Rick Riordan, que comecei a ler depois de Percy Jackson e os Olimpianos, no total foram 10 livros lidos do escritor, todos muito divertidos; não é perfeita, mas é uma série que vou relembrar com muito carinho e nostalgia. 

Antes do meu TOP #3 de Melhores Livros de 2015 há outros bons livros que marcaram o ano de 2015 e preciso citar: Reli o clássico O Pequeno Príncipe; A Probabilidade Estatística do Amor À Primeira Vista foi um livro que me surpreendeu muito tanto pela sua qualidade quanto pela história que com suas poucas páginas me emocionou de verdade. Cilada foi o mistério/thriller psicológico que eu nunca teria descoberto sozinha o desfecho da trama complexa; li também A Menina que Brincava com Fogo da trilogia sensacional Millennium que irei terminar de ler em 2016. 

3. O Desafio de Ferro - Magisterium #1
2. Claros Sinais de Loucura 
1. Eleanor & Park

Claros Sinais de Loucura com toda a sua originalidade e a minha protagonista queridinha Sarah Nelson que tenta achar em si mesma sinais de que está ficando louca, foi um livro que me fez refletir muito em 2015. O Desafio de Ferro foi minha última leitura e grande surpresa de 2015, eu já imaginava que iria gostar por causa de suas duas escritoras incríveis, mas este livro ganhou um lugar no  TOP #3 de Melhores Livros de 2015 por dois motivos, primeiro por causa da reviravolta da trama no final que me surpreendeu demais, e segundo porque estou com a expectativa de que esta história veio fazer parte de um lugar que é ocupado nos meus favoritos somente por Harry Potter e Percy Jackson,veremos. 

Eu confesso que não tive dúvidas ao escolher Eleanor & Park como a minha melhor leitura de 2015, porque este livro foi uma experiência completa para mim: personagens marcantes, quadrinhos, trilha sonora, amor, diversas citações perfeitas, e história inesquecível que conseguiu ser engraça, romântica, e triste, despertou em mim diversas emoções e ganhou um lugar especial no meu coração. Um livro que eu sinto vontade de reler toda hora. O melhor de 2015, e um dos melhores que já li na vida. 

"Era como uma obra de arte, e arte não deve ter boa aparência, mas sim fazer a gente sentir alguma coisa." 


Essas foram as melhores leituras de 2015. Não cumpri todas as metas que abracei no começo do ano, como era previsível (risos), mas foi um ano que realmente foi salvo para mim pelas boas leituras que fiz. 
E que venha 2016 com leituras mais incríveis do que estas. =)

#Resenha “Pétalas”, por Gustavo Borges & Cris Peter

Gustavo Borges & Cris Peter. “Pétalas”. Editora: Jupati Books & Tambor Quadrinhos, 2015. 56 p.

“Pétalas” se tornou uma HQ muito especial para mim por diversos motivos, um deles é que é a primeira resenha de algo que comprei na Comic Con Experience deste ano. Conheci Pétalas lendo sobre o sucesso que ela foi no Cartarse, site de financiamento coletivo, em que Pétalas bateu recordes do site arrecadando R$53.467 sendo que a meta do projeto era apenas 5 mil reais,  com o apoio de muitas pessoas que acreditaram no projeto do Gustavo Borges e da Cris Peter.

“Pétalas” em poucas palavras é uma hq com uma narrativa visual riquíssima, que nos conta uma história essencialmente sobre generosidade, solidariedade, e amizade.

MEU DIA NA COMIC CON EXPERIENCE 2015 - #VaiSerÉpico

A COMIC CON EXPERIENCE 2015 chegou e já acabou porque coisas sensacionais assim não duram muito, infelizmente. Esse foi o meu primeiro ano neste evento que começou em 2014, a minha ansiedade estava nas alturas, nos últimos dias só o que eu conseguia pensar era na CCXP, e finalmente o meu dia chegou e já posso dizer para vocês que o vento FOI ÉPICO SIM para mim, e definitivamente alcançou minhas expectativas. Sexta, 05 de dezembro, foi épico.

Minha credencial era apenas para sexta (dia 05), deixei para comprar o ingresso tarde demais e para o final de semana já estava esgotado, mas tudo bem, fui determinada a curtir o evento o máximo que eu pudesse. Não queria perder muito do meu tempo em filas, então apesar de sexta-feira ter sido um dia com painéis incríveis da Fox, Frank Miller, Netflix (com os elencos de Jessica Jones e Sense 8), eu não tinha tempo para perder na fila gigantesca do auditório Cinemark. Melhor decisão porque as pessoas que querem mesmo assistir a esses painéis têm que chegar cedo e ir direito para a fila do auditório e passar o dia exclusivamente lá. Como eu só fui um dia painéis não valiam a pena para mim.

Meus objetivos do dia na CCXP era conseguir ver um pouco de tudo e comprar quadrinhos, felizmente sai de lá realizada e com um sorriso de orelha a orelha. Comprei HQs na Panini, que não estava com preços bons não mas que trouxe encadernados raros, relançamentos, e lançamentos. Também levei quadrinhos da Comix, e peguei uma fila razoável para entrar na parte de venda de exclusivos do estante de Star Wars só para conferir os produtos e decidir se eu iria comprar alguma coisa, escolhi um boneco Stormtrooper que foi uma das melhores compras, na verdade acho que foi o que eu mais gostei de comprar, principalmente porque o preço estava bom e bonecos, como os da funko, por exemplo, e principalmente os colecionáveis,  doem um pouco no bolso.

Mesmo indo só um dia consegui aproveitar muito do evento, visitei a grande maioria dos estandes que estavam grandiosos e só com coisas lindas para se ver, como os figurinos de Batman vs Superman, Arrow, o escudo do Capitão América, estátuas do Hulkbuster vs Hulk gigantes, e etc. Meus estandes favoritos foram os de Star Wars, da Warner, e da Marvel <3 Abaixo vocês podem conferir algumas das muitas fotos que eu tirei na CCXP, também postei no meu Instagram @gaabisam (e irei continuar postando!).

 Meus arrependimentos na CCXP 2015 : Não ter ido na piscina de bolinha gigante no estande do filme Procurando Dori :( Juro que achei que era só para crianças, depois que vi as fotos do pessoal fiquei triste por não ter aproveitado uma piscina de bolinhas para adultos também, cof cof. Como só fui um dia resolvi que não iria levar nenhum quadrinho para pegar autografo, mas, no dia vi que a fila para de autógrafos do Mark Waid estava razoável (pelo menos na sexta) e fiquei chateada demais porque gosto do trabalho dele e poderia ter perdido algumas horas e carregado mais peso para pegar um autógrafo e tirar foto com uma pessoa que admiro muito, perdi a oportunidade, fazer o que né.

Meus “melhores momentos” CCXP 2015 : Encontrar e comprar “Alias” HQ esgotada há anos da Jessica Jones na Panini, assistir a entrevista do Frank Miller pelo telão do lado de fora do auditório Cinemark, acompanhar a live do Omelete ao vivo durante diversos momentos do dia (eu apareço lá na live do dia 05 depois da entrevista da Evangeline Lilly haha). Vi cosplayers muito bem feitos, inclusive tirei fotos com alguns deles que vou guardar com carinho no meu arquivo pessoal, como as fotos com os cosplayers de Capitão América e Arqueiro Verde <3 Também comprei um desenho do Homem de Ferro que vou mandar emoldurar para pendurar aqui em casa de um dos meus ilustradores favoritos da vida, Fabio Valle, com direito a foto no estande dele. Tirei foto com um sabre de luz na maquina de fotos no estande de Star Wars, enfim, foi um dia incrível, curti cada segundo que passei na CCXP, um evento que ficará marcado só por lembranças positivas na minha memória.

Ano que vem pretendo ir com toda certeza. Sai tão cansada e acabada de lá que agora sei que provavelmente não conseguirei ir em dois dias consecutivos, então estou planejando ir na sexta e no domingo, mas isso vai para minha lista de planos para a CCXP 2016, e aliás o primeiro tópico desta lista é levar mais dinheiro $$$, para comprar quadrinhos independentes, mais ilustrações, e principalmente pegar uma daquelas action figures maravilhosas, principalmente porque parece que no ano que vem terá do Demolidor.

Quanto a organização do evento não tenho nenhuma reclamação, cheguei um pouco mais de 9h no metro Jabaquara, peguei rapidamente o ônibus do evento, minha fila teve a entrada liberada às 10h. Levei lanche e comi sem problemas na praça de alimentação que não estava suuuper lotada, peguei filas, mas nada incomum, no geral achei tudo organizado e dá para sentir que só pessoas muito apaixonadas (Omelete <3) para fazer um evento tão cheio de amor para os nerds quanto esse que será o meu momento épico de todos os anos agora. Até 2016, Comic Con Experience.

5 ANOS DO BLOG MUNDO PLATÔNICO!

Hoje, dia 15 de outubro de 2015, é o aniversário de 5 ANOS do Blog Mundo Platônico. Fazem cinco anos que dedico meu tempo como blogueira do Mundo Platônico, escrevendo resenhas  sobre livros dos mais variados gêneros, postando novidades sobre o Mundo Literário, escrevendo sobre adaptações cinematográficas, enfim, produzindo conteúdo de interesse de leitores assíduos, como eu, escrevendo, na verdade, sobre o que eu gosto e gostaria de ler.

Não acredito que o blog chegou tão longe, quando comecei a blogar a mais de cinco anos atrás eu não tinha pretensão nenhuma, só queria fazer alguma coisa produtiva na internet, e naturalmente segui o caminho de blogueira literária, que é o que mais combina comigo, e hoje cinco anos depois consigo ter a certeza que segui o caminho certo escrevendo sobre o que eu gosto e compartilhando com vocês tudo sobre as minhas leituras, compras, aventuras, e divagações literárias. Obrigada a todos por estarem aqui comigo <3

Nesses CINCO ANOS o Mundo Platônico mudou muito. Troquei de layout diversas vezes, comecei colunas e não terminei, tive minhas fases de só ler lançamentos ou gêneros específicos, e também desapareci muito blog, porque infelizmente vivo na corda bamba conciliando minha faculdade, estágio, horas de sono, e leitura, com o blog (risos), mas hoje fico muito feliz por poder chegar até aqui, apesar dos pesares, amando escrever para o Mundo Platônico ainda, e espero que esse amor só aumente nos próximos anos, bem como o volume das minhas leituras, e livros na minha estante.

Aniversário do meu blog, vai ter bolo sim junto com meus livros queridos. Não, não sei cozinhar não. Obrigada irmãs lindas (Bruna e Helô <3) e a todos que sempre me apoiaram muito. Obrigada aos parceiros do blog, as editoras já fizeram parceria com o Mundo Platônico, os escritores, e principalmente a vocês leitores. Passados os costumeiros agradecimentos de todos os anos (risos), que venham os nossos números atualizados!

5 anos blog Mundo Platônico, estatísticas:

  • 528 postagens
  • 150 resenhas
  • 5688 comentários
  • 296.862 visualizações de página

Aguardem porque muitas novidades e promoções virão ainda neste mês tão especial para a história do blog! *-*

#Resenha “A Probabilidade Estatística do Amor À Primeira”

 

Jennifer E. Smith. “A Probabilidade Estatística do Amor À Primeira Vista”. Editora: Galera Record, 2013. 224 p.

“(…) No final das contas, não são as mudanças que partem o coração, e sim esse quê de familiaridade”

Queria encontrar um livro curto para ler no começo deste mês. E lá estava A Probabilidade Estatística do Amor À Primeira Vista na minha biblioteca virtual, escolha perfeita porque eu já havia lido resenhas positivas, o livro tem menos de 200 páginas, e a história não me parecia ter grandes pretensões. Eu estava em busca de um bom entretenimento, felizmente acabei encontrando muito mais do que isso.

A Probabilidade Estatística do Amor À Primeira Vista prova que o tempo é muito relativo, em 24h coisas inesperadas podem acontecer, para o bem ou para o mal, e você também pode encontrar, conhecer, uma pessoa que marcará aquele momento, talvez a sua vida, como ninguém mais. 

Como Começar a Ler Quadrinhos de Heróis?

Sempre que posto fotos lá no meu instagram @gaabisam, ou falo sobre quadrinhos aqui no Mundo Platônico, alguém comenta que deseja começar a ler quadrinhos mas não sabe como, ou melhor, não sabe por onde começar, afinal são mais muitas décadas de histórias e heróis que já teriam idade para ser beeem idosos. O foco do post de hoje são os quadrinhos de heróis, que são os que eu mais leio, mas em breve escreverei também sobre hqs que não são de super heróis, e que podem ou não ter uma temática mais adulta.

Eu comecei a ler quadrinhos de heróis pelo encadernados da Panini, a maioria deles possuem uma história com começo, meio, e fim, então a chance de ficarmos perdidos é menor. Não recomendo começar a ler pelas revistinhas mensais que saem nas bancas, porque será muito difícil encontrar as edições anteriores e você provavelmente encontrará uma história que está no meio do seu desenvolvimento. A não ser, é claro, que a revistinha mensal seja a número #1, se você passar em uma banca e encontrar uma revistinha número 1 de um herói ou equipe que te interesse não perca a oportunidade de comprar porque ela acabam muito concorridas e acabam rápido.

Comprar encadernados ok. Tomar cuida com as mensais ok. Mas, como você vai realmente escolher alguma história para começar? Com pesquisa! Primeiro você tem que escolher um herói que te agrade mais, ou a equipe de heróis que você quer ler (Como os Vingadores, Liga da Justiça, etc.) escolhido o herói(s) agora você pesquisa quais as melhores histórias desse herói, aqueles tops que vários sites fazem, e confere quais estão disponíveis para venda. Eu, por exemplo, queria ler os quadrinhos do Homem Aranha, para isso pesquisei suas melhoras histórias, mas antes de ler esses arcos mais famosos do personagem, eu comecei pela coleção Os Heróis Mais Poderosos da Marvel.

A Salvat está lançando a popularmente conhecida “coleção da capa vermelha” (risos) cada edição é centrada em um personagem, ou em um grupo de heróis da Marvel, esses encadernados são compostos de um arco principal famoso do herói(s), mais a primeira aparição do personagem ou grupo, ou uma história clássica dele, perfeito para quem quer começar a ler quadrinhos! Começando por essa coleção, você não terá problemas para ler as demais histórias aclamadas do personagem. A coleção Graphics Novels da Marvel (capa preta), também da Salvat, que reúne grandes sucessos é uma ótima opção para continuar a ler, mas infelizmente ela está sendo publica no Brasil há mais tempo e muitos dos encadernados já estão esgotados.

Se você estiver mais interessado nos quadrinhos da DC Comics, por exemplo, siga minhas primeiras dicas: Escolha sobre quem quer ler, e pesquise os encadernados! Recentemente comprei um grande clássico da DC que sempre aparece na lista das melhores história da editora: “O Reino do Amanhã”, que é um encadernado de luxo que não podia faltar na minha estante como fã de quadrinhos que sou. A Panini também está lançando aos poucos os encadernados dos “Novos 52” que serão divididos em vários volumes, fase perfeita para quem quer começar a ler quadrinhos porque reinicia as histórias dos heróis da DC com novas abordagens.

O site Legião de Heróis fez um post muito legal: A arte de ler HQs para iniciantes com dicas essenciais para quem quer mergulhar de cabeça no mundo dos quadrinhos de heróis como: Correr atrás daquilo que te agrada, ter a mente aberta para mudanças, conversar com pessoas que entendem do assunto, esquecer tudo o que você viu nas adaptações para o cinema, e uma das dicas mais importantes: Não criticar quem tem um gosto para quadrinhos diferente do seu, respeito entre fãs! É um texto super interessante e o Legião de Heróis é uma bela fonte de notícias e matérias para quem curte quadrinhos de heróis.

Não posso deixar de comentar sobre os VLOGS DE QUADRINHOS que acompanho no YouTube e são uma fonte ótima para que quer compreender esse universo e receber dicas legais: O Cuzcuz-literário da Bah, o 2quadrinhos do Vinícius, e também o LoadComics do Gil. Três vlogs especializados em quadrinhos, com reviews, críticas, guias práticos de leituras, muito amor pelo mundo nerd, e mais! Outra boa dica (mais uma hahaha) é o site Planeta GIBI que faz checklists dos lançamentos de hqs (e Mangás também) de diversas editoras todos mês, me guio sempre por lá para saber quais lançamentos irei comprar!

Onde comprar?

A Fnac sempre tem promoções de quadrinhos, a Amazon Br e a Livraria Cultura também são indicadas, a Cultura é a principal loja virtual que vende as coleções da Salvat. O Submarino e a Saraiva também vendem hqs, mas não são especializados nisso. Em loja físicas sempre recorro a Comix Book Shop, loja que tem um acervo enorme de quadrinhos e mangás e que sempre têm aquelas edições que saem nas bancas e acabam esgotando rapidamente em todos os outros lugares (também vendem virtualmente). E a Geek.etc, que fica no Conjunto Nacional na Paulista e pertence a Livraria Cultura.

Outros links interessantes:

Espero que vocês tenham gostado de todas essas dicas (foram muitas). Acredito que consegui compartilhar com vocês meu pequeno conhecimento sobre o mundo dos quadrinhos e de como entrar nele.

Agora é só começar a LER!

“O Pequeno Príncipe”- Obra obrigatória para a vida de todos os leitores #BEDA

Eu tenho a minha história pessoal com O Pequeno Príncipe, uma obra que é essencial para o repertório de todos os leitores. Sempre quis comentar sobre o livro aqui no Mundo Platônico, e com a chegada da nova adaptação para os cinemas que estreou no último dia 20 de agosto, este é o momento perfeito para falar desse clássico da literatura mundial. O Pequeno Príncipe foi o primeiro livro que eu me recordo de ter tido um contado mais profundo, foi aos 11 anos quando cursava a quinta série, e minha professora de português fez um trabalho inesquecível durante todo o ano escolar sobre esse livro do escritor Antoine de Saint-Exupéry.

Um livro infantil obrigatório para a formação de crianças, adolescentes, e adultos (principalmente).

Precisamos conversar sobre Preconceito Literário #BEDA

As pessoas estão lendo cada vez mais no Brasil, mais especificamente os jovens, entre os livros mais vendidos estão John Green, Kiera Cass, Paula Pimenta, e muitos outros autores que escrevem livros para pré-adolescentes, adolescentes, ou jovens adultos, mas nada me impede de ler esses best-sellers em qualquer momento na minha vida, correto? Sempre quis escrever sobre preconceito literário no blog, mas nunca surgiu a oportunidade, até que essa semana estava vendo um vlog literário sobre um escritor que eu gosto muito, Milan Kudera, e a pessoa que falava no vídeo enfatizou que era preciso ler mais livros assim  porque “atualmente a literatura estava sendo nivelada por baixo”, era só dar uma olhada nos best-sellers.

Literatura sendo nivelada por baixo amigo? Por isso precisamos conversar sobre preconceito literário.

Atualmente vivo no meio acadêmico e preciso ler livro técnicos, filosóficos, e etc, mas não deixo completamente os livros que leio simplesmente por prazer de lado, por causa do blog, mas principalmente porque ler esses livros me deixa feliz. Dependendo do livro que carrego comigo os olhares são diferentes, e se é um livro de romance pode ter certeza que algum colega irá me zuar, um dia uma certa pessoa da minha faculdade sentiu-se livre para pegar o exemplar de Como eu era antes de você da minha mesa e começar a ler em voz alta, ódio define o que eu senti, e vergonha também, não pelo livro, mas porque me senti exposta com a brincadeira maldosa da pessoa que esperou a oportunidade de encontrar um livro rosa nas minhas coisas para zombar do que eu estava lendo.

O que relatei foi um exemplo de preconceito literário que aconteceu comigo, mas que acontece com muitas outras pessoas todos os dias, geralmente o preconceito é feio por pessoas que não leem. Mas, acreditem, todos nós temos preconceito literário, imagine a seguinte situação: Você conhece uma pessoa e ela te fala que adora ler, logo você se identifica, mas ai ela cita aquele livro ou aquele gênero literário que você odeia, vai falar que você não fica nenhum um pouco sem graça? Isso acontece com as melhores pessoas, é normal, mas precisamos conversar mais sobre preconceito literário para que ninguém caia no seu conceito apenas por estar lendo o livro X ou amar livros de auto-ajuda, por exemplo, afinal as pessoas que leem têm mais empatia (ou deveriam ter), não é mesmo?

Preconceito com as coisas mais diversas infelizmente fazem parte do nosso dia-a-dia, mas se você ama livros, se sente mais inteligente por ler determinados escritores, e diz que a leitura precisa ser incentivada, mas em contrapartida faz discurso odioso sobre best-sellers e até mesmo crítica gêneros literários inteiros como os livro jovens adultos, você está fazendo isso muito muito errado, ninguém incentiva literatura fazendo outras pessoas se sentirem constrangidas pelo o que elas gostam de ler.

Não estou dizendo que devemos amar todos os livros e não criticá-los, mas uma coisa é criticar e continuar incentivando a leitura, outra bem diferente é dizer que “atualmente a literatura está sendo nivelada por baixo”, como se livros jovens adultos não enriquecesse em nada os leitores. Conheço inúmeras pessoas que começaram lendo Stephanie Meyer e que se tornaram leitores assíduos e hoje leem clássicos, best-sellers, romances, até livros de filosofia apenas pelo prazer de ler. Eu comecei a gostar de ler por causa de Harry Potter, e esse amor pela leitura me ajudou a escolher minha faculdade, e com certeza irá definir o resto da minha vida.

Ler livros simplesmente por prazer também enriquece a nossa vida. As vezes sinto vontade de ler o livro mais leve e romântico que encontrar só para fugir da realidade, me entreter, e me fazer feliz. Ler um livro escrito para adolescentes, amar Diário de Um Banana, pode me fazer parece ou não mais ou menos inteligente, mas quem se importa? Ninguém deveria se importar. Leia livros de vampiros, anjos, dragões, biografias, tanto faz. Ler um livro que não é considerado uma obra prima não te faz ajudar “a literatura atual ser nivelada por baixo” não.

Daqui alguns anos aquele livro infantil, aquele romance, ou um livro do John Green podem virar um clássico, um ponto de referência de nossa época para todo o sempre, quem sabe? Os bons livros duram gerações, e não há distinções de gêneros quanto a isso. A única coisa que importa é ler sempre, seja clássicos, livros nacionais, ou best-sellers, temos que experimentar de tudo, e incentivarmos outras pessoas a seguirem o nosso exemplo. Ter preconceito literário, ser preconceituoso no geral, julgar uma pessoa por um  livro, e criticar o gosto alheio, não te levará a lugar nenhum, apenas será desagradável para quem (ainda) está ao seu lado.

Lugares que os livros me fizeram querer conhecer #BEDA

Um dos meus maiores sonhos pós faculdade, quando minha vida financeira estiver bem estabilizada (risos), é viajar pelo mundo! Juro para vocês que ainda postarei sobre as minhas viagens pelo mundo no Mundo Platônico. Se fosse para fazer um roteiro com as cidades que mais desejo conhecer, livros que se passam em determinados lugares e que são descritos com maestria, de forma já nos sentimos lá sem realmente conhecer vêm a minha memória. Tenho um top de três cidades que preciso (e vou!) conhecer por causa de livros que li. Quais serão elas?

1) Praga, República Tcheca

Livros: Feita de Fumaça e Osso & A Insustentável Leveza do Ser

Com certeza Praga é a cidade mais exótica da minha lista. Exótica porque nunca conheci ninguém que viajou para a República Tcheca. A cidade localiza-se entre colinas e rios, é um dos mais belos e antigos centros urbanos da Europa. Então vocês já podem esperar por paisagens completamente diferentes do que nós estamos acostumados aqui no Ocidente. Pagra além de ser uma cidade linda por natureza, é famosa pelo seu patrimônio arquitetônico, sou uma admiradora de construções históricas, além disso a vida cultural de Pagra é muito rica. Centro boêmio, castelos, a própria cidade me parece um ponto turístico!

A Karou, protagonista de Feita de Fumaça e Osso, que é um dos meus livros favoritos, vive em Praga. A cidade é muito bem descrita pela autora Laini Taylor, a própria Karou é uma artística apaixonada por pela cidade de Praga. Esse foi o primeiro livro que me fez querer conhecer Praga, seguido de outro livro, que também é um dos meus favoritos, A Insustentável Leveza do Ser do Milan Kundera, a história passa boa parte na República Tcheca e inclusive muitos fatos históricos sobre o local são citados. Preciso conhecer! 

2) Paris, França

Livros: Anna e o Beijo Francês e Isla e o Final Feliz

Posso falar de Paris mais uma vez aqui no blog? hahaha Não posso morrer sem conhecer, ok? A Stephanie Perkins em sua trilogia Anna, Lola e Isla, faz Paris parecer a cidade mais encantadora de todas. Anna vive uma história de amor em Paris assim como Isla, na cidade mais romântica do mundo! Deixem-me sonhar com o clichê, por favor (risos). Muito além do romance a Stephanie Perkins descreve diversos pontos turísticos de Paris, e como é viver lá, infelizmente só seus personagens não são reais porque gostaria de fazer amizade com todos eles. Outra cidade com monumentos históricos, muita cultura, e paisagens incríveis.

3) Barcelona, Espanha

Livro: A Sombra do Vento

Eu nunca nem havia pensado em viajar para a Espanha até ler o primeiro livro da série O Cemitério dos Livros Esquecidos do Zafón. Barcelona é praticamente uma personagem do livro, suas praças, avenidas, e ruas misteriosas, o clima, o livro projetou uma imagem muito real e detalhista da cidade em minha mente. Senti como se estivesse em Barcelona, como se já conhecesse o local. As descrições de Barcelona pré e durante guerra, a tensão do ar, são memórias literárias muito fixas para mim. Tenho alguns conhecidos que indicam muito Barcelona, e que sempre a colocam no roteiro de suas viagens, o que só me anima mais! Enfim, A Sombra do Vento, livro incrível, me fez viajar até a Espanha através da leitura e de muita imaginação, agora preciso conhecer de verdade esta cidade.

Adorei escrever esse post <3 Agora, que lugares os livros fizeram vocês quererem conhecer?!

Leia também: Os dez melhores pontos turísticos de Praga & 10 pontos turísticos em Paris.

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo