#Resenha “A Casa” por André Vianco

 

    ANDRÉ VIANCO. “A Casa”. Editora: Novo Século, 2002. 302p.

"Se você tivesse a chance de reencontrar quem já se foi, você cruzaria a porta?”

A Casa é um livro marcante, impossível não se envolver com essa história que praticamente nos obriga ao exercício de nos colocar no lugar dos personagens e pensar: Eu agiria da mesma forma? E se eu tivesse oportunidade de concertar um erro? Eu entraria na casa?
A primeira vez que ouvi falar do livro foi na Bienal do Livro de 2014 pelas palavras do próprio André Vianco, que contou para os participantes do seu bate-papo como surgem as ideias para seus livros, e que a ideia de A Casa foi marcante para ele, pois a primeira vez que ele viu a sua filha,  ele começou a pensar sobre o que aconteceria se um pai ao ver seu bebê pela primeira vez se decepcionasse e rejeitasse a criança que não era perfeita como ele esperava? A partir desse pensamento o André Vianco começou a construir a premissa de um dos quatro personagens deste livro, personagens estes que terão a oportunidade de fazer uma escolha que poderá mudar a desolação que é suas vidas.

Os comentários do André Vianco sobre o livro me deixaram muito curiosa, pois ele mesmo ficou empolgado ao contar um pouco desta história como se fosse um leitor comum (e não o autor da obra). A leitura pode causar um certo estranhamento no começo, quatro personagens completamente distintos são apresentados em cada capítulo, eles não se conhecem até que A Casa liga a suas histórias. Todos os protagonistas passam por algo terrível em suas vidas, como um vício, doença, depressão, combinado com uma amargura porque suas próprias escolhas que lhes causaram todo esse mal.

Não quero focar na história de cada personagem e no problema que cada um está passando porque é interessante ir descobrindo isso aos poucos na leitura do livro. O mais importante é a mensagem da história, a possibilidade de mudar o que está errado, algo que nós falamos, ou um ressentimento guardado que repercutiu nas nossas vidas. A Casa é é uma viagem ao próprio ser junto com esse personagens, uma história para se refletir muito e se emocionar.

“Não acreditava em acasos. Aquele cartão viera para lhe dizer alguma coisa. Principalmente quando teimava em surgir no bolso da camisa mesmo tendo certeza de que o tinha descartado na última vez em que estivera em frente à casa. Aquela casa tinha alguma coisa.”

Não é exatamente um livro fácil de ser lido e o estilo frases curtas da narrativa pode não agradar a todos, alguns momentos são confusos, é muito difícil guardar o nome dos personagens nos primeiros capítulos, por isso que tive que retornar a leitura algumas vezes, mas, se algo na narrativa não lhe agradar de primeira o meu conselho é para que você continue lendo, não desista desta história, pois ela tem um potencial imenso. Nos momentos finais é impossível desgrudar os olhos deste livro, é uma leitura rápida e impactante que permanece viva em nossas memórias por meses.

Se você está lendo esta resenha e está com dúvida sobre o que é A Casa, o que irá acontecer lá, e o que ela representará para a vida dos personagens, este suspense é exatamente a intenção do livro. A leitura nos faz duvidar se terá algum elemento sobrenatural nela ou não até quase os momentos finais, é um suspense interesse e essa aura de mistério que cerca A Casa nos envolve tanto quanto as histórias dos personagens.

Os comentários do André Viando criaram muitas expectativas em mim para essa leitura, e felizmente elas foram atingidas. Curti muito a história deste livro que me emocionou e ficou marcada na minha memória. Não é um livro perfeito, mas quantos livros realmente são? A mensagem me tocou e isso é o que verdadeiramente importa.

“Hélio era um homem infeliz, dono de um coração machucado, vítima de uma mente estragada e traiçoeira que lhe botara traves nos olhos, impedindo-o de enxergar e aproveitar o tesouro mais lindo que a vida pode dar à um homem... o amor incondicional que uma filha dá a um pai.”

A Casa está longe de ser o livro mais reconhecido do André Vianco, mas se tornou o meu favorito do autor, e um dos meus favoritos nacionais. Está mais que indicado!

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Não gosto muito dessa parte que você citou de a narrativa ser mais complexa e precisar de uma paciência maior na hora de ler, mas só por esse mistério todo que circunda a casa já faz com que valha a pena descobrir afinal o que diabos acontece lá. Quero leeer! E essa capa é lindaaaa <33

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem post novo no blog sobre os Multitalentos, vem conferir!

    ResponderExcluir
  3. Oi Carol!
    Pois é, é um livro em que precisamos ter paciência no começo, mas vale muito a pena, e o mistério é muito empolgante!
    Também curto essa capa, a minha é a mais antiga!

    Obrigada pela visita! ^^

    Beijos,

    Gabi
    Mundo Platônico

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo