Resenha: A Máquina de Contar Histórias

 
 
GOMYDE, Maurício “A Máquina de Contar Histórias” . Novo Conceito, selo “Novas Páginas”, 2014. 192p.
 
.“(…) No fundo, as pessoas não compram autores, não compram livros. Compram emoção que a história promete proporcionar. O que cada leitor quer é, durante a imersão no mundo criado pelo escritor, esquecer-se dos problemas, angústias e tragédias do dia a dia. Ou, ainda que por alguns instantes, experimentar uma vida diferente da sua realidade.”
 
Em 2011 recebi através da parceria com o escritor Maurício Gomyde o livro “Ainda não te disse nada”. Lembro-me que gostei da premissa e o modo como à história se desenvolveu só que faltava “algo”. Sabem quando sentimos que aquele livro poderia ter sido melhor? Nada em especifico me desagradou, mas senti carência de mais produção de emoções por parte do livro. Decidi começar a resenha com esse comentário porque definitivamente em  “A Máquina de Contar Histórias” o autor encontrou um diferencial, os sentimentos que faltavam.  É um livro sensível e inteligente, e que me emocionou de uma forma inesperada.

Não li nenhuma resenha antes de começar a leitura de “A Máquina de Contar História”, me guiei pela sinopse porque quis dar a oportunidade de ser surpreendida pela história. Vinícius Becker é um escritor famoso totalmente focado na sua carreira, pai de duas meninas muito especiais, não que ele saiba disso já nunca está presente na vida de sua família. Enquanto sua mulher definha de um câncer terminal, Vinícius escreve, vai a eventos, faz turnês nacionais e internacionais dos seus lançamentos, e assim sucessivamente, nada mais.
 
Com a morte de Viviana Backer, esposa de Vinícius, ele finalmente “acorda” e tem que deixar a sua vida profissional de lado para lidar com a perda do seu amor e voltar a ser o pai que suas filhas, Vida e Valentina, precisam. Valentina, a filha adolescente, passou os últimos anos ao lado da mãe torcendo pela sua sobrevivência, ela foi a que mais sofreu com a ausência do pai já que Vida é pequena. Vinícius percebe o quanto errou tarde demais, e a única coisa que ele pode fazer agora é tentar reconquistar o amor das filhas.
 
“- Perdoar também é fácil. O difícil é acreditar sinceramente nesse perdão. 
- Se você tivesse lido o meu último livro, talvez isso ficasse menos difícil. 
- Para perdoar, palavras de um livro podem ser pouco.”
 
Passei o livro tentando não julgar à  atitude do Vinícius de abandonar sua família no pior momento possível. Eles costumavam ser uma família feliz, mas com a iminência da morte de Viviana, Vinícius focou-se no que ele podia controlar: Suas histórias e os “finais felizes”. O livro é narra em terceira pessoa sob o ponto de vista do Vinícius, e então compreendemos suas atitudes e sofrimento, mas é apenas na busca pelo perdão das filhas que ele ganha o dos leitores também.
 
Valentina tem tudo para se tornar uma escritora talentosa como o pai, mas ela não quer justamente por não admirá-lo. Vinícius e Valentina compartilham o amor pela literatura, e ele usará todas as armas que puder para reconquistá-la. “A Máquina de Contar Histórias” é um livro extremamente interessante para quem tem vontade de ser escritor. A arte de escrever é um dos temas refletidos durante o enredo, pura técnica ou a emoção crua? É grande a divergência entre Vinícius e Valentina, exatamente no ponto que lhes é de mais afeição.
 
Gostei da capa do livro, a revisão está boa, e o trabalho de diagramação da NC foi bem feito! Só um detalhe me incomodou durante a narrativa, o livro possui muitas (muitas mesmo) passagens em que os personagens saem para comer, e o autor cita as comidas sempre. No início não me importei, mas depois que percebi ficou um tanto incomodo ler frequentemente que eles estavam comendo X,Y, e Z. Totalmente irrelevante eu sei, mas achei importante comentar, pode não fazer diferença para vocês e não é um fato que diminui a história, mas me inquietou.
 
“(…) O avanço da carreira, e não da doença, assumiu o primeiro lugar em suas preocupações. Quatro anos e meio dedicados à literatura como uma máquina, um robô programado para escrever e não amar. Escrever se tornara um refúgio para a alma, o esconderijo para sentimentos que ele aprendera a não externar”.
 
Os personagens de  “A Máquina de Contar Histórias” são marcantes e muito reais. Vida é um amor e arrancou muitos sorrisos meus com as suas perguntas de crianças. Valentina é a personagem com mais personalidade e eu a adorei, ela perdeu mãe e alimentou por anos um rancor pelo pai difícil de esquecer, mas mesmo assim ela não é irredutível. Viviana deixa uma saudade pairar sobre a história, e Vinícius foi me ganhando com o tempo.
 
A “Família V” definitivamente me conquistou. A leitura é envolvente e consegue ser leve mesmo com o sentimento de perda como plano de fundo. Para reconquistar o amor das filhas Vinícius planeja uma viagem com roteiros diferentes e significativos para a história da família. Eu gostei dos cenários, não poderiam ser melhores na verdade, e me diverti acompanhando a família nessa “jornada rumo à reconciliação”. E quando achei que tudo já estava encaminhado o autor conseguir me surpreender positivamente no final do livro, a história, caros leitores, é muito mais do que parece.
 
“A Máquina de Contar Histórias” em poucas páginas consegue nos tocar, expressa sentimentos e nos envolve no conflito. Um livro indispensável para aqueles que amam ler. Claro que eu indico! Orgulho dessa nova leva maravilhosa de livros nacionais, a Novo Conceito acertou em cheio com este selo “Novas Páginas” que já é um grande sucesso.
desenhos-estrelasdesenhos-estrelasdesenhos-estrelas desenhos-estrelasdesenhos-estrelas

12 comentários:

  1. Oi Gabi!
    Não li o livro, mas achei engraçado você ter citado como as comidas te incomodaram durante a leitura.
    Teve um livro que li (nem lembro qual foi) que toda hora ficava falando as marcas das roupas que as pessoas estavam vestindo, e isso me irritava demais. Ás vezes muitos detalhes atrapalham!

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  2. Nossa, adorei a sua resenha!! Eu já li os outros dois livros do autor, e me senti exatamente da mesma forma que você descreveu. A história até era boa, mas faltava muita coisa pra despertar aquela vontade de continuar lendo, e isso me fez desanimar e nem tentei ler esse último lançamento dele. Fico muito feliz por ele ter evoluído tanto, faz parte de ser escritor, ir encontrando os erros e ir sempre melhorando. E a história, assim como as outras, parece ser bem reflexiva, e também até entendo a atitude do personagem, apesar de também não concordar. Ás vezes nossa vida anda tão conturbada, que a melhor saída que encontramos é escrever, ou fazer qualquer outra coisa que nos liberte da angústia.

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/
    Tem resenha nova de "Asylum" no blog, vem conferir!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Oi Sora!
    Marcas de roupa me incomodam muito mais do que comida, já deixei de ler alguns livros ou continuar de ler por causa de citações constantes de marcas! Nesse caso aqui, as vezes parecia de propósito, com se tivesse algum sentido (risos) mas tudo bem.
    Obrigada pela visita! ^^

    Oi Carol!
    O legal te ter lido outros livros do autor é acompanhar essa evolução, e ela me deixou extremamente feliz! O livro é muito reflexivo, o prato cheio de reflexões para leitores e futuros escritores :) Também compreendi o Vinícius, mas é bem difícil no contexto, sabe? As filhas dele sofreram muito!
    Obrigada pela visita! ^^

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Olá Gabi :)
    Primeiro vou falar que adorei o novo visual do blog. Tinha visto você falando no Twitter, mas ainda não tinha vindo aqui conferir. Segundo, você falou na resenha do meu blog que acha minhas resenhas engraçadas, então muito obrigada. Eu tento fazê-las assim, pra diferenciar um pouco, não consigo ser séria UAHSUAHS Enfim, vamos a sua resenha. Adorei. Tenho visto bons comentários a respeito desse livro e espero que minha leitura consiga ser proveitosa assim como a sua. Ah, esse lance de citar a comida me incomoda, li um livro faz pouco tempo que era assim, agora não lembro qual UASHAUHS

    Beijos, Vanessa.
    This Adorable Thing
    http://thisadorablething.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oi Gabi!

    Você não foi a primeira a dizer o quanto esse livro é surpreendente. Uma amiga minha disse para eu o ler o quanto antes e, como tive oportunidade de conhecer o Maurício na Bienal e conversar um pouquinho com ele, já coloquei ele na lista de prioridades. Agora com a sua resenha que diz que ele cresceu na narrativa e na transmissão de sentimentos para o leitor, fiquei ainda mais animada.

    Beijos
    Aline
    Memoirs and Books

    ResponderExcluir
  7. Ei Gabi,

    Ainda não li nada do autor, quero começar por este, mas está na minha fila daquele jeito rsrs. Só vejo elogios sobre ele, espero gostar tanto também. ^^
    bjs

    ResponderExcluir
  8. Olá Aline!
    O Maurício é um amor de pessoa, não é mesmo? Amei conhecê-lo pessoalmente! Coloque na sua lista de prioridade sim e leia o quanto antes! O livro é curtinho e você não irá se arrepender ;)
    Obrigada pela visita!

    Oi Fernanda!
    Eu não sei se indicaria você começar a ler o autor por este livro, porque você com certeza perceberá a diferença na evolução da escrita do autor! Eu indicaria "Ainda não te disse nada" para começar.
    Obrigada pela visita! ^^

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oi Gabi!!

    Esse foi o terceiro livro do autor que li, e o primeiro que realmente me conquistou. Ele é mesmo repleto de sentimentos, me envolvi demais com o enredo! consegui entender o Vinicius, mas realmente dói muito na gente acompanhar a forma com que ele abandonou a família. Me apaixonei pela família V, as personagens são mesmo marcantes e reais!

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  10. Oi Ju! ^^
    Você sentiu o mesmo que eu! Os personagens são muito reais, e apesar de gostarmos do Vinícius ele decepcionou muito... Que bom que mais pessoas amaram essa história!
    Obrigada pela visita!

    ResponderExcluir
  11. Não sou muito de ler livros daqui, mas os dele sempre me deixaram curiosa e sou doida pra ler. E a maioria de nacional que leio é da NC, esse selo deles é muito bom mesmo. E essa é outra trama super elogiada e bacana do autor. Queria muito conferir também.

    ResponderExcluir
  12. Olá Cris!
    Primeiramente parabéns por ter ganho a promoção pós-Bienal do Livro! :))
    Esse selo da NC é fantástico! Neste ano li muitos nacionais e gostei de todos, sem brincadeira, um livro bom atrás do outro! Inclusive vou comentar sobre isso no blog em breve. Quer uma dica? Leia Perdida da Carina Rissi, se você gosta de romances vai se apaixonar por esse!
    Obrigada pela visita! ^^

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo