#Resenha “Cidades de Papel” por John Green

 

  • Título: Cidades de Papel
  • Autor: John Green
    Editora: Intrínseca
  • Páginas: 361
  • Conceito: 1234

Em Cidades de papel, Quentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma. Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte. Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia.

Descobri meu novo remédio para ressaca literária: John Green! Os livros deste autor não são os mais emocionantes, mais engraçados (na verdade, sim!), ou os mais românticos, mas todos possuem suas peculiaridades, personagens marcantes, muitas divagações, e me fazem rir aonde quer que eu os estivesse lendo com  suas tiradas inteligentes e diálogos  típicos de adolescentes! Apesar de Cidade de Papel não ter ser tornado um dos meus livros preferidos do autor, eu curti demais essa leitura! Leia mais abaixo. (:

  • “São tantas pessoas. É tão fácil se esquecer de como o mundo é cheio de pessoas, lotado, e cada uma delas é imaginável e sistematicamente mal interpretada.”

Na 2º turnê da editora intrínseca uma pequena introdução foi feita sobre o livro, o que bastou para me deixar com muita vontade de ler, comecei a leitura sem ao menos ler a sinopse, queria me surpreender com a história, e felizmente não me decepcionei. Eu não sabia do que se tratava a “Cidade de Papel”, mas confiei na escrita do John Green deixando as minhas outras leituras pendentes de lado.

“Cidades de Papel” é um livro que trata muito mais dos dramas adolescentes comuns do que os outros livros do autor, basicamente temos Quentin Jacobsen  que é apaixonado por sua misteriosa vizinha Margo Roth Spiegelman desde a infância. Quentin tem dois melhores amigos, um super inteligente e outro engraçadíssimo (típico das histórias do autor!). Quentin está para se formar no ensino médio, é estudioso, e nunca faltou um dia na escola, uma vida absolutamente normal até que em uma noite Margo aparece vestida de ninja na sua janela convidado-o para uma aventura inesquecível em Orlando, na Flórida.

A leitura começa muito boa, mas lá pela metade quando Quentin está totalmente obcecado por Margo, confesso que demorei para entrar no ritmo da história que estava muito arrastada e sem novos elementos que me dessem vontade de ler, acontece que Quentin é um bom personagem, mas Margo na minha opinião nunca mereceu o amor de Quentin. Nos últimos capítulos a história volta a ser emocionante e não consegui parar de ler até saber como o mistério principal seria resolvido.

  • "- Hoje, meu bem, vamos acertar um monte de coisas que estão erradas. E vamos estragar algumas que não estão certas. Os últimos serão os primeiros; e os primeiros serão os últimos; os mansos herdarão a terra. Mas, antes de redefinir completamente o mundo, precisamos fazer compras."

Observei que muitas resenhas deste livro o comparam com “Quem é você Alasca?”, realmente não gostei muito de Margo assim com Alasca não ganhou minha simpatia também, mas não acredito que as histórias tenham muito em comum além da obsessão do personagem principal por uma garota. “Quem é você Alasca?” é um livro mais profundo e reflexivo,  “Cidades de Papel” também tem muitas passagens que despertam nossos devaneios, mas sua história é mais engraçada e leve. Normalmente os autores sempre repetem alguns elementos em seus livros, mas cada história é especial a sua maneira.

Apesar de a leitura ter sido lenta em alguns momentos, o livro em geral satisfatório! Amei saber o mistério por trás das Cidades de Papel, e rir com os amigos do Quentin. Claro que indico o livro, mas se você nunca leu John Green comece com A Culpa é das Estrelas e O Teorema Katherine, que são os meus favoritos!

7 comentários:

  1. Ei, quase xará rs
    Estou muito feliz com o aniviersário do blog. Parabéns.
    Em pensar que comecei minha saga literária visitando aqui rs *-*
    Eu só li o Teorema Katherine de John , eu acho linda a capa de cidades de papel e tenho vontade de ler assim como a culpa é das estrelas que dizem ser o melhor livro dele.

    ResponderExcluir
  2. Os livros de Green são demais, não é? Estou doida pra ler este e me deliciar na leitura da Cidades de Papel. Adorei seus comentários sobre a história. Fiquei curiosa a respeito dos personagens. Beijos

    ResponderExcluir
  3. Nunca li nada de John Green. Na verdade nunca li mais nada por hobbie, eita vida que não me sobra tempo pra o que realmente gosto... mas enfim, isso é passageiro.

    Enfim, tá todo falando tão bem desse autor que dá muuuuita vontade de ler algo dele!

    ResponderExcluir
  4. Comprei esse livro, está muito bem falado, aliás, Jonh Green está muito bem falado, e pela resenha parece ser muito bom, e não teria ficado na "modinha" tão rápido se não valesse a pena, presumo.

    ResponderExcluir
  5. Sabe o que é engraçado? Eu nunca li nada dele e já presenteei vários amigos com os livros dele e até agora acertei na mosca...rs.

    Tenho uma curiosidade absurda de ler os livros do Green...mas também tenho um receio avassalador. Medo que aconteça com ele o que aconteceu com o Sparks que peguei um livro com muita vontade e ele me deprimiu.

    Acho que vou continuar com esse esquema, presenteando amigos e sendo feliz apenas com isso...rs.

    ResponderExcluir
  6. Os únicos que eu li dele foram exatamente os seus favoritos hahaha mas assim que tiver a oportunidade, lerei também os outros desse autor, pois com certeza também são muito bons!

    xx Carol
    http://hangoverat16.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Já ouvi vários comentários sobre esse livro, de que era muito bom e de que era muito ruim, como sou fã do estilo roadtrip acho que vou dar uma chance e ler!

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo