#Resenha “O Oceano no Fim do Caminho”, por Neil Gaiman

 

  • Título: O Oceano no Fim do Caminho
  • Autor: Neil Gaiman
    Editora: Intrínseca
  • Páginas: 208
  • Conceito: 1234

Foi há quarenta anos, agora ele lembra muito bem. Quando os tempos ficaram difíceis e os pais decidiram que o quarto do alto da escada, que antes era dele, passaria a receber hóspedes. Ele só tinha sete anos. Um dos inquilinos foi o minerador de opala. O homem que certa noite roubou o carro da família e, ali dentro, parado num caminho deserto, cometeu suicídio. O homem cujo ato desesperado despertou forças que jamais deveriam ter sido perturbadas. Forças que não são deste mundo. Um horror primordial, sem controle, que foi libertado e passou a tomar os sonhos e a realidade das pessoas, inclusive os do menino. Ele sabia que os adultos não conseguiriam — e não deveriam — compreender os eventos que se desdobravam tão perto de casa. Sua família, ingenuamente envolvida e usada na batalha, estava em perigo, e somente o menino era capaz de perceber isso. A responsabilidade inescapável de defender seus entes queridos fez com que ele recorresse à única salvação possível: as três mulheres que moravam no fim do caminho. O lugar onde ele viu seu primeiro oceano.

Antes de começar a comentar sobre o livro preciso introduzir o Neil Gaiman, claro que ele não precisa disso, mas surpreendentemente não ligava o nome do autor a suas famosas obras. Tudo começou na segunda turnê Intrínseca pelo Brasil, fui no evento aqui em São Paulo, e a querida Heloiza falou um pouco sobre editora, seus livros, e lançamentos. Quando chegou o momento de apresentar o lançamento “O Oceano no Fim do Caminho” a animação do evento duplicou e foi o primeiro contato que eu tive com o fãs de Neil Gaiman, fãs esses que garantiam que tudo o que o autor escrevia era fantástico, e eu tive que conferir isso.

  • "Eu ficaria aqui até o fim dos tempos, num oceano que era o universo que era a alma que era tudo o que importava. Eu ficaria aqui para sempre."

Basicamente Neil Gaiman é um escritor de romances  e quadrinhos inglês. Seu grande reconhecimento veio com Sandman. Obra de arte que lhe rende fãs até hoje. Sandman, narra a história de Morpheus, a personificação do sonho. Ele também é o autor de grandes obras como Coraline, Coisas Frágeis, e Stardust , além de contribuir em várias séries e filmes, ou seja, uma grande personalidade não apenas para o mundo literário, para saber mais vocês podem acessar o site Neil Gaiman Brasil.

O Oceano no Fim do Caminho é vendido na contracapa como o primeiro livro para adultos do escritor Neil Gaiman desde 2005, mas na minha opinião não é uma história para adultos, mas sim para adultos que nunca cresceram realmente, e todas as pessoas que como o autor gostarem de imaginar mundos fantásticos, que podem ser mais velhos que o próprio tempo. “Oceano” é um livro pequeno, e comecei a leitura sem ler a sinopse, apenas com a informação de que se tratava de: 

“Uma fábula que nos lembra como nossa vida é ditada pelas experiências da infância. O que ganhamos com elas e o preço que pagamos” Kirkus Reviews.

Foi incrível me surpreender com essa história que felizmente foi tudo, menos o que eu poderia esperar.

Realidade ou imaginação de criança?

A história começa com um homem que retorna para a cidade em que passou sua infância para ir em um enterro e rever seus familiares. Na pequena cidade este homem começa a se lembrar de sua a infância, e inconscientemente ele vai parar em uma fazenda onde há anos ele conheceu uma garota extraordinária, Lettie Hempstock. Chegando lá ele para para observar a lagoa que Lettie chamava de oceano, o Oceano de Lettie. Enquanto ele observa o lago ele lembra de sua infância, e do que aconteceu naquela época.

Uma história para se refletir, assombrar, e fascinar.

O que acontece a seguir vocês terão que ler para conferir. O Oceano no Fim do Caminho é um livro diferente de tudo que eu já li, basicamente conta a infância de um menino que adorava ler e que encontrou um mundo sobrenatural fora dos livros, mas que ao contrário dos livros não o fez feliz. Muitas reviravoltas, magia, e a história de uma criança que me assustou e me fez refletir sobre a minha própria infância e amadurecimento.  Quando criança podíamos enfrentar certar coisas que adultos não suportariam, e nem acreditariam.

  • “– O que você quer? – perguntou ela.
  •             – Eu quero me lembrar – falei. – Porque aconteceu comigo. E ainda sou a mesma pessoa.
  •             Joguei o retalho de tecido na lareira.
  •             Ouvimos o crepitar e o tecido fumegou, e então começou a queimar.”

É um livro que não vai agradar a todos, e também não sei explicar exatamente porque me agradou. Eu nunca poderia imaginar algo assim, por isso adorei a leitura. Uma fábula cheia de metáforas e analogias, que mostra como foi triste para um menino viver em um mundo de adultos, em que nada ele poderia controlar. Uma história que é imaginária mas muito realista ao mesmo tempo, em uma parte muito tocante lemos como querer esquecer algo ruim simplesmente apagando o fato da realidade, mas não da memória.

O próprio autor confessa no epílogo do livro que buscou várias lembranças de sua própria infância para escrever esta história, realidade misturada com muita imaginação. Claro que eu indico essa leitura! E espero sinceramente que vocês gostem tanto quanto eu deste livro que fizeram meus olhos brilharem de medo e fascinação.

5 comentários:

  1. Li apenas um conto do Neil. Aquele que a Intrínseca liberou gratuitamente na Amazon. Gostei bastante e acabei me interessando pelas obras dele. Leria este, com certeza. Não tinha me interessado muito, mas todas as resenhas tem me fascinado.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Eu conhecia Neil Gaiman, mas não fazia ideia de como ele trabalhava! Fiquei impressionada. Depois de ler tantas resenhas positivas sobre o livro (e resenhas bem escritas como a sua, nas quais podemos confiar), fiquei verdadeiramente curiosa para lê-lo. :)

    ResponderExcluir
  3. O que primeiramente me chamou atenção nesse livro, foi o título. Oceanos, mar.. todo esse universo me fascina. Segundo, que bem.. é o Neil, né? Super talentoso. Já li algumas críticas e todas positivas quanto a ele, o que só aumenta a minha curiosidade. Com certeza já está na minha lista de desejos. ;D

    ResponderExcluir
  4. Vou sem bem sincera quando o livro foi lançando eu pensei que ele seria um porre de tão chato, mas mordi a lingua achei a historia do autor muito fascinante adoro fabulas (sempre viajo quando leio uma *-*), já vou colocar como desejado!

    ResponderExcluir
  5. Estou muito curiosa sobre esse livro.
    Nunca li nada do Neil, mas Stardust é um clássico. Adorei a resenha. Quero muito mergulhar nas palavras dele e possivelmente me tornar fã.

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo