#RESENHA “Cruzando o Caminho do Sol”

 

  • Título: Cruzando o Caminho do Sol
  • Autor: Corban Addison
  • Editora: Novo Conceito
  • Páginas: 448
  • Conceito:

Sita e Ahalya são duas adolescentes de classe média alta que vivem tranquilamente junto de seus familiares, na Índia. Suas vidas tranquilas mudam completamente quando um tsunami destrói a costa leste de seu país, levando com suas ondas a vida dos pais e da avó das meninas. Sozinhas, elas tentam encontrar um modo de recomeçar a vida. Mas elas não devem confiar em qualquer um... Enquanto isso, em Washington, o advogado Thomas Clarke enfrenta uma crise em sua vida pessoal e profissional e decide mudar radicalmente:  viaja à Índia para trabalhar em uma ONG que denuncia o tráfico de pessoas e tenta reatar com sua esposa, que o abandonou. Suas vidas se cruzarão em um cenário exótico, envolto por uma terrível rede internacional de criminosos. Abrangendo três continentes e duas culturas, Cruzando o Caminho do Sol nos leva a uma inesquecível jornada pelo submundo da escravidão moderna e para dentro dos cantos mais escuros e fortes do coração humano.

“Cruzando o Caminho do Sol” é um livro que além de se tornar um dos nossos favoritos, deixa algo a mais nas nossas vidas, acrescenta conhecimentos e sentimentos que tornam a leitura inesquecível, uma história que trata de temas cruelmente reais que nos revoltam e emocionam. Uma das minhas melhores leituras de 2012,  não sei porque demorei tanto tempo para conseguir escrever sobre esse livro que mexeu demais comigo, então já adianto que o único objetivo dessa resenha é convencê-los a conhecer essa história.

  • “(…) O mundo podia roubar sua liberdade; podia acabar com sua inocência; podia destruir sua família e arrastá-la por caminhos para além de seu entendimento. Mas não podia privá-las de sua memória. Apenas o tempo tem esse poder, e Sita iria resistir a todo custo."

O livro para as irmãs Sita e Ahalya já começa com grandes emoções. As adolescentes viviam uma vida tranquila e farta com os seus amados pais, que faziam tudo o que podiam para agradar suas filhas. Tudo muda quando um terrível tsunami destrói a costa leste da Índia, levando consigo os pais Sita e Ahalya, sua casa, e todos os bens materiais da família. Sozinhas, e ainda em choque com as perdas recentes, as meninas tentam encontrar um caminho para recomeçar, mas no meio do caos como muitas outras crianças elas são enganadas e caem nas mãos de uma máfia internacional de exploração sexual infantil.

Do outro lado do mundo a vida do advogado Thomas Clarke está de cabeça para baixo, profundamente abalado com a perda do seu único filho e sua separação recente, seus problemas pessoais prejudicam o seu trabalho e ele é obrigado a se afastar por um tempo. Thomas precisa mudar radicalmente para poder ter sua vida e esposa de volta, por isso ele decide viajar até a Índia, país de origem de sua ex-mulher, para trabalhar em uma ONG que denuncia o tráfico de pessoas, um mal que ele nunca havia enfrentado antes.

A história do livro é profundamente triste, as barbaridades que Sita e Ahalya tem que enfrentar nos abalam muito e durante toda a leitura eu tinha a terrível consciência que tudo aquilo não era apenas ficção, pessoas terríveis como as que conhecemos neste livro existem, e infelizmente muitas crianças ainda são exploradas. Por outro lado, pessoas como Thomas e todos os que trabalham na ONG também existem, e é por causa da coragem deles para lutar contra criminosos tão poderosos que muitos são salvos de esquemas como este.

  • "Não, não sofra, embora viva a escuridão de seus problemas, O tempo não vai parar,
  • e nem andar atrasado; O dia de hoje, que parece tão longo, tão estranho e amargo,
  • Breve estará esquecido no passado."

O amor e cuidado que Sita e Ahalya têm uma pela outra é muito bonito, Ahalya faz de tudo para proteger sua irmã mais nova, ela conta histórias sobre coragem e esperança para fazer Sita dormir e esquecer do submundo que agora elas estão vivendo. O pior momento para mim é quando as irmãs são separadas, Sita fica sozinha e sem esperanças de ver sua irmã novamente, o sofrimento de Ahalya continua em outro continente, mas ela não vai desistir nunca de lutar para ter Sita de volta. Essas irmãs estão entre os personagens mais corajosos que eu já li, a maioria das pessoas não conseguiriam resistir a tanto.

Thomas não vai para Índia com o intuito de salvar ninguém, ele mesmo  não sabe como se salvar, mas quando seu caminho cruza com a história de Sita e Ahalya sua vida toma um novo curso, ele tem um motivo para lutar e não vai desistir até juntar as irmãs novamente afastando-as de tanta escuridão e sofrimento. A busca de Thomas pelas irmãs é cheia de desencontros, o que deixa a história ainda mais tensa.

O livro é narrado em terceira pessoa sob os pontos de vista de Thomas, Sita e Ahalya. Além de abordar o assunto do tráfico de pessoas, a história também abrange todo o mercado negro, contrabando de drogas, prostituição e pornografia infantil. O que mais me surpreendeu é que eu não tinha noção de como os criminosos do submundo comentem crimes de todos os tipos nos cinco continentes, tornando a missão de encontrá-los e dar um fim a essas transgressões quase impossível.

  • "(…) Thomas ouviu, como sempre fez desde que nasceu, mas a passagem não significava mais muita coisa. Ele foi crismado, como qualquer garoto católico, mas o que aprendeu no
  • catecismo foi se desgastando e desaparecendo durante seus anos em Yale.
  • No mundo real, a única certeza era a dúvida."

Uma história tocante, deprimente, mas que não nos deixa sem esperanças, e o livro trata da esperança mesmo quando essa morre nos nossos corações. A história se tornou inesquecível para mim e é um lembrete constante que nunca devemos desistir de lutar. Uma mensagem que é bela mesmo em um contexto tão assustador. A editora Novo Conceito fez um excelente trabalho na diagramação, a capa é muito bonita e cheia de detalhes assim com todo o livro. No começo de cada capítulo nos lemos bonitos pensamentos de diversos filósofos e escritores que nos preparam para o que está por vir na história.

O livro me despertou com uma riqueza de detalhes para um mundo que eu conhecia muito pouco, e o autor Corban Addison, que eu tive o prazer de conhecer na Bienal do Livro 2012, conseguiu escrever com maestria esta história que em outras mãos poderia ser apenas triste, mas que com ele cumpre seu papel de nos alertar, e de nos dar mais fé e esperança. Uma história que não é perfeita, vou deixar de fazer algumas observações que poderiam ser spoilers, mas deixarei claro que o livro é belo não pela história em si, mas pelo efeito que ela causa em nós leitores. Mais que indicado, leitura obrigatória.

11 comentários:

  1. Eu li o livro e adorei ele também, e é uma pena saber que garotas passam realmente por coisas como aquilo e que tem publico para este tipo de coisa. Adorei ver o amor entre estas duas irmãs e coragem e força entre elas,
    mas o Thomas..eu não simpatizei nada com ele..acho que fui a única rs, achei ele muito indeciso como homem, não sabe o que quer da vida..sem comentários pra ele :D
    beijos.

    ResponderExcluir
  2. Enquanto lia a resenha meus olhos ficaram marejados, o livro parece ser muito bom, triste, mas com algo a mais, a capa realmente é linda. Gosto muito de historias passadas na Índia, Turquia, Afeganistão, e outros, pq conhecemos culturas diferentes, e eu fico me imaginando dentro desse contesto. Com certeza quero ler.

    ResponderExcluir
  3. Aiii que legal , eu nao tinha ideia do que se tratava esse livro e fiquei muito emocionada com sua resenha, eu creio que esse livro deve se parecer muito com o caçador de pipas , lembrei dele na hora nao sei porque .Quero muito ler esse livro ,obrigada pela resenha .

    ResponderExcluir
  4. Não sou apenas sensível ao tráfico humano, mas à questão das minorias também, principalmente em paises xenófobos, por isso acho indispensável a leitura de um livro como este e compartilhá-lo ao máximo para evitarmos que isso aconteça. A indignação ativa é a arma que temos contra qualquer abuso.

    ResponderExcluir
  5. Já li resenhas bem positivas desse livro.
    É uma trama comovente e delicada por se tratar de um tema tão forte.
    Está na minha meta de leitura para 2013.

    ResponderExcluir
  6. Tenho este livro há algum tempo, mas ainda não li. Confesso que fiquei bem curiosa para ler a partir da sua resenha, saber que você gostou tanto desta leitura. Me parece um livro difícil de esquecer após a leitura! Adorei a resenha, abraço ;)

    ResponderExcluir
  7. Quero muito ler esse livro. O tema é forte, principalmente porque acontece na realidade. Acho que vou ficar meio chocada ao ler. Mas depois de ler sua resenha, minha vontade de ler o livro aumentou.

    ResponderExcluir
  8. Pela sua resenha o livro deve ser super legal, quero ler.

    ResponderExcluir
  9. Esse livro parece ser bem chocante e ainda não tive vontade de ler não me sinto preparada pra isso está aqui na minha estante aguardando o momento, ele retrata bem a realidade.

    ResponderExcluir
  10. Julguei o livro pela capa e nunca procurei saber nada sobre ele. Não imaginei nada parecido com isso. Essa questão de tráfico humano é muito triste e deve ser abordada, assim como a globo está fazendo. Achei a ideia maravilhosa e tenho certeza que antes disso a grande maioria não tinha noção de que havia esse tal de tráfico humano. Achei mais interessante ainda Corban abordar esse tema em um livro. Esse livro com certeza vou procurar para ler e vou indicar também. Sua resenha ficou ótima Gabi, conseguiu passar realmente a essência da história. Adorei também o book trailer do livro, porque esse sim é um book trailer que chama a atenção para a história.
    Bjs, Greice.

    ResponderExcluir
  11. Esse livro parece ser muito interessante, mas confesso que ele não me fez ficar louca pra ler ele, mas acho que se eu ter uma oportunidade de ler, vai ser uma leitura bem interessante.

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo