#Resenha “Extraordinário”

 

  • Título: Extraordinário
  • Autora: R. J. Palacio
  • Editora: Intrínseca
  • Páginas: 320
  • Conceito: 12335

August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso ele nunca frequentou uma escola de verdade... até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de NY, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros. Narrado da perspectiva de Auggie e também de seus familiares e amigos, com momentos comoventes e outros descontraídos, Extraordinário consegue captar o impacto que um menino pode causar na vida e no comportamento de todos, família, amigos e comunidade - um impacto forte, comovente e, sem dúvida nenhuma, extraordinariamente positivo, que vai tocar todo tipo de leitor.

Desde que li a notícia que a editora Intrínseca iria publicar “Wonder” no Brasil, e conheci a premissa da história, me interessei demais por essa leitura. Eu sinceramente esperava que este fosse um livro que conseguiria preencher um vazio que ficou em mim desde a leitura de A Culpa é das Estrelas, por também ser um livro de ficção, mas com uma história extremamente real e muito reflexiva. “Extraordinário” é uma leitura leve e muito agradável, que me emocionou demais, e conseguiu alcançar as minhas expectativas.

  • “(…) - Coragem. Bondade. Amizade. Caráter. Essas são as qualidades que nos definem como seres humanos e acabam por nos conduzir à grandeza. E é disso que se trata a medalha Henry Beecher: reconhecer a grandeza. Mas como fazemos isso? Como podemos mensurar algo como a grandeza? Mais uma vez, não há uma régua. Como nós a definimos?” […]
  • “Grande é aquele cuja força conquista mais corações pela atração do próprio coração.”

August Pullman, ou Auggie, é uma criança de dez anos, muito inteligente e educado, para Auggie ele é uma criança normal, mas as outras pessoas não o veem dessa forma porque ele nasceu com uma deformidade facial, graças a uma rara síndrome genética. Auggie passou por muitas cirurgias e tratamentos médicos, por isso ele nunca frequentou uma escola regular, e foi alfabetizado em casa pela sua mãe. Mas agora os pais de Auggie querem que ele frequente a quinta série do ensino fundamental em uma escola normal. Ser aluno novo é difícil para todos, mas para Auggie pode ser a pior, ou melhor, experiência da sua vida.

Auggie chega na escola nova e a grande maioria dos alunos não querem chegar perto dele, seja por medo ou ignorância, e até mesmo alguns pais falam que ele deveria estar em uma escola especial, pois acreditam que Auggie tem problemas mentais simplesmente por causa de sua aparência, o que é muito triste. Auggie é muito consciente do seu problema, diariamente ele vê as pessoas se chocarem com o seu rosto feio, e a primeiras reações da maioria das pessoas ao verem Auggie são terríveis, mas ele já está acostumado com essas situações constrangedoras, e elas já não o afetam como antes.

“Extraordinário” é um livro tocante, com uma história simples, mas que gera muita reflexão e polêmica. Não vou comentar mais sobre a história do livro, porque o que realmente importa em “Extraordinário” não é a trama em si, mas sim os diferentes pontos de vista. O livro é principalmente narrado pelo Auggie, mas outras várias partes são narradas pelas pessoas que convivem com ele, como a sua irmã, e as pessoas que acabaram de conhecê-lo, e ainda não sabem bem como lidar com o que é diferente. A escritora R. J. Palacio explorou bem o problema de Auggie e toda a questão do preconceito sob diversas perspectivas.

  • “(…) Toda pessoa deveria ser aplaudida de pé pelo menos uma vez na vida,
  • porque todos nós vencemos o mundo.” Auggie

Um livro que deveria ser lido por todos, leitura obrigatória nas escolas, porque de uma maneira simples e gostosa de ler a história nos passam muitas lições, e deixa óbvio como os seres humanos em geral não estão preparados para lidar com o diferente, principalmente com o que é feio, o que gera o preconceito que só faz mal a todos. Lendo o livro eu mesma percebi com não sei lidar com situações delicadas como essa, e que as vezes apenas um arregalar de olhos pode fazer mal a essa pessoa diferente e/ou deficiente.

Por August ser uma criança de apenas dez anos muitas situações do livro são infantis, mas o que Auggie e sua família enfrentam todos os dias muitas pessoas adultas não suportariam. O melhor do livro para mim foram os diferentes narrações, as partes que a irmã do Auggie, Olivia (Via) narra, sua solidão e o sofrimento de ver as pessoas rejeitarem o irmão que ela tanto ama, os sentimentos da Via são extremamente reais e tocantes. Os amigos de Auggie da escola, Summer e Jack , também narram alguns capítulos, e é legal ler que todos sofrem um pouco por causa do preconceito contra Auggie, mas ter Auggie como seu amigo, irmão, ou filho, é maravilhoso porque ele realmente é uma criança extraordinária.

Uma história linda, e que ainda me emociona mesmo após semanas de seu término. Tenho que confessar que me apeguei muito ao Auggie, me envolvi demais com seus problemas, me emocionei junto com ele, adorei seu amor por Star Wars, e curti cada pedacinho desse seu livro maravilhoso que tem agora vários trechos que estão marcados como meus favoritos. “Extraordinário” está mais do que indicado <3 Termino essa resenha com o quote que me emocionou muito, narrado por Justin namorado da Via, irmã de Auggie.

"não, não é tudo acaso. se fosse, o universo abandonaria à própria sorte. e o universo não faz isso. ele cuida das suas criações mais frágeis de formas que não vemos. como pais que amam cegamente. e com uma irmã mais velha que se sente culpada por ser humana em relação a você. e um garotinho de voz grave que perdeu os amigos por sua causa. e até uma  garota de cabelo rosa que carrega sua foto na carteira. talvez seja uma loteria, mas o universo deixa tudo certo no final. o universo cuida de todos os seus pássaros."

3 comentários:

  1. Oii Gabi. Mais uma vez adorei sua resenha, confesso que no começo da divulgação do livro eu não tinha nenhum interesse, mas aí todo mundo leu e amou, e fiquei com vontade de ler também.
    Acho que também não estou preparada para situações como essa, porque geralmente quando vejo alguém ou algo diferente olho de uma forma diferente e como você disse um simples arregalar dos olhos já deixam a pessoa triste e constrangida.
    A resenha me conquistou e quero ler "Extraordinário".
    Beijos, Greice.

    ResponderExcluir
  2. Mais uma resenha super positiva desse livro e com certeza Extraordinário está no topo da minha lista de desejados e quero muito ler esse livro que realmente parece ser maravilhoso. Definitivamente todos deveriam ler esse livro, e concordo que deveria ser leitura obrigatória nas escolas, pois no mundo que vivemos estamos rodeados de preconceitos, quem sabe algumas pessoas mudassem a sua forma de pensar após ler esse livro. ^^

    ResponderExcluir
  3. Terminei de ler este livro hoje, e simplesmente amei, não tem como descrever de outra maneira que não Extraordinário, as partes que vc colocou em destaque foram algumas das muitas que mais gostei.

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo