#Resenha “A Seleção”

 

  • Título: A Seleção
  • Autora: Kiera Cass
  • Editora: Seguinte
  • Páginas: 368
  • Conceito: 1234

Num futuro com uma sociedade dividida em castas, a competição que reúne moças  de todas as partes para decidir quem se casará com o príncipe é a oportunidade de escapar de uma realidade imposta a elas ainda no berço. É a chance de ser alçada de um mundo de possibilidades reduzidas para um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha. Para America Singer, no entanto, uma artista da casta Cinco, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás Aspen, o rapaz que realmente ama e que está uma casta abaixo dela. Significa abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. Então America conhece pessoalmente o príncipe. Bondoso, educado, engraçado e muito, muito charmoso, Maxon não é nada do que se poderia esperar. A vida com que sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que ela nunca poderia imaginar.

“A Seleção” estava entre as distopias da minha wish list de final de ano, como eu já esperada este livro não é exatamente o tipo de distopia que geralmente leio - com muita ação, revoluções, e um governo para ser deposto -, pelo menos neste primeiro livro a autora Kiera Cass não explorou esses temas. Mas  o livro me conquistou por outros méritos, além de ser uma história incrivelmente leve e gostosa de ser lida.

  • “Eu parecia radiante, esperançosa, linda. Dava para notar que eu estava apaixonada. E algum imbecil achou que era pelo príncipe Maxon. Minha mãe gritou na minha orelha. May deu um pulo, espalhando pipoca para todo lado. (…)  Perdi a expressão no rosto de Maxon. O telefone tocou.
  • E não parou de tocar por dias.”

A sinopse de “A Seleção” já contém tudo o que vocês precisam saber sobre a história antes de ler o livro, e até mais. . Eu não gosto muito de ler sinopses e sim críticas sobre o que as pessoas concluíram após a leitura, por isso vou comentar apenas sobre os pontos mais marcantes na história. Nesta distopia a sociedade é dividida em castas que são enumeradas de 1 até 8, quanto maior o número da casta mais miserável a vida das pessoas. Os números menores (2,3,4) significam mais dinheiro e oportunidades, e a primeira casta é a da nobreza, esta a qual o rei, rainha, e príncipe de Illéa, pertencem.

No jovem país Illéa o número de sua casta determina que tipo de trabalho você está destinado a fazer pelo resto da vida, e a única maneira de mudar essa realidade é através do casamento. É comum que as pessoas de mesma casta se casem, pois casar com uma pessoas de casta diferente, além de ter que passar por uma forte burocracia, significa literalmente melhorar ou piorar a sua qualidade de vida. America Singer pertence a casta 5 e é uma artista, ela está completamente apaixonada por Aspen, mas eles terão que enfrentar muitas dificuldades para ficarem juntos pois Aspen pertence a uma casta inferior a de America.

A Seleção é um reality show exibido para todo o país em que o príncipe Maxon escolherá sua futura rainha entre 35 garotas. As participantes são escolhidas por toda Illéa,e para a maioria das meninas participar poderia significar uma vida de luxo para ela, e para sua família. Louca por Aspen, America não queria inscrever na seleção, apesar da insistência de sua mãe, mas ela acaba se inscrevendo e surpreendentemente é escolhida. Contra sua vontade agora America ela está na competição pelo trono, e mesmo o sem querer competir pelo príncipe ela tornará uma das favoritas para ser a futura rainha de Illéa.

  • “Olhei-me no espelho.Ainda parecia ser eu mesma. Era a versão mais linda de mim que já vira,mas eu reconhecia aquele rosto. Desde que meu nome fora sorteada,temia me tornar irreconhecível, um ser tão recoberto por camadas de maquiagem e atulhado de joias que eu teria que cavar por semanas até encontrar a mim mesma. Por ora,eu ainda era America.”

Eu gostei do livro por ser uma leitura muito leve e fácil, é legal acompanhar a competição, o desenvolvimento de alguma garotas, as intrigas, e todo glamour e riqueza que as participantes são submetidas. Mas a história em si não é realmente surpreendente, é uma opinião bem pessoal porque não sou muito fã de livros que focam muito nos conflitos amorosos da protagonista, sem falar no triângulo amoroso. Acontece que ficar com Aspen significará uma vida de dificuldades, e o casamento com o príncipe tiraria sua família da pobreza.

Deixando um pouco o lado realista e focando no amoroso, America estava longe e livre de Aspen, ainda gostava dele mas o amável príncipe estava ali, ela poderia se esforçar um pouquinho para competir já que estava sozinha certo? Achei um pouco forçado como o príncipe logo ficou encantado pela America, e mais ainda ela não perceber que ele estava se apaixonando. Injusto com o príncipe que queria selecionar a única pessoa que não o queria, já comentei que as indecisões de triângulos amorosos me irritam?

Fora isso que comentei acima o livro é realmente muito bom, acredito que a autora irá explorar mais o mundo além do palácio nos próximos livros, e é ai que os conflitos com o regime falho de Illéa começam. America é determinada a não perder sua personalidade no meio de tanto luxo, e segue o que realmente acredita, o seu coração, por isso acredito que ela seria a melhor rainha. Também gostei muito do príncipe Maxon, apesar dele não tem noção da realidade do país que irá governar, ele é o meu personagem favorito do livro e estou torcendo por ele. Aspen também é muito determinado, ele tem algumas atitudes estranhas, mas coerentes, não sei se ele ficará em segundo plano na história, mas eu gostaria que fosse assim.

  • “(…) Uma pergunta difícil de responder.Por acaso eu desejaria uma vida que nunca quis?Estaria disposta a vê-lo em encontros alegres com as outras para se certificar de que não estava errado?
  • A assumir a responsabilidade de princesa? Eu queria amá-lo?
    - Sim, Maxon – sussurrei. – É possível.”

Eu indico muito o livro, é uma história muita gostosa de ser lida, uma leitura realmente satisfatória e boa para passar o tempo. Não está entre os meus livros favoritos, mas acredito no potencial da série e continuarei lendo, afinal quero saber o resultado da seleção! O final desse primeiro livro não é exatamente um final e a história ficou pela metade, acho que eu gostaria mais se o livro fosse maior e tivesse um final que realmente encerasse a história, mas fazer o que né? É uma trilogia!

Ah! Você já reparam como a capa do livro é maravilhosa? E ela é mais bonita ainda ao vivo! Parabéns para a editora Seguinte por todo o trabalho de diagramação :)

 

8 comentários:

  1. Eu to louca pra ler essa trilogia. E realmente essas capas são maravilhosas. Gostei muito dos seus comentários sobre o livro, e acho muito estranho que o livro acabe sem um final propriamente dito. Como não li não tenho muitas opiniões a respeito dos atores para a interpretação dos personagens mas concordo que o Rei Pedro não combina para ser príncipe, também acho que deveria inverter os papéis. Quanto a garota não sei. Ansiosa para ler.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  2. Já li o livro e gostei muito. Sou um pouco suspeita a falar, porquê amo distopias. Essa então, é de tirar o fôlego. Não é um livro com muita ação, mas fiquei paralisada a cada vez que o príncipe Maxon aparecia. O livro é uma gracinha, escrita fácil e simples. Gostei muito não só do livro como também de sua resenha. E não podemos negar: Essa capa é de dar orgulho de se ter na estante. Magnifica!
    Beijos, Bruna Alves.

    ResponderExcluir
  3. Também não curto triângulos amorosos e isso já meio que me desanimou a respeito de ler esse livro, ultimamente estou procurando livros que não focam nisso mas um dia ainda quero ler esse livro.

    ResponderExcluir
  4. Ai, ai, ai, acho que sou uma das poucas pessoas que não gostaram desse livro. Leio um mooonte de resenhas elogiando e talz, mas a história em si não mi fisgou. Ainda mais por ter triangulo amoroso - arhg! -.

    Flor, tem um meme pra ti no meu blog. =D

    Beijooos.
    http://leiturasemprosa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Tenho uma curiosidade com esse livro, o povo fala bem dele ate agora nao li nenhuma resenha falando mal dele. Ainda nem li o livro ja estao criando uma serie pra ele?! E lele viu!

    ResponderExcluir
  6. Eu quero ler este livro, a estória pareceu interessante. Dizem que o estilo é o de Jogos Vorazes, e como eu gostei...E a temática, embora diferente, deve ser fofa ^^ Quero ler!

    ResponderExcluir
  7. pela capa, eu achava que era tipo uma seleção de balé kk ainda bem que li sua resenha pra acabar com minha ignorância literária :P nunca li uma distopia :s pois é, até outro dia realmente nem sabia oq era isso, li num outro post seu e fui pesquisar e nem entendi completamente. Gostei da resenha e da história. Se vc não gosta de triângulos não é de se admirar que não goste de livros que focam mais na vida amorosa dos protagonistas, pois a maioria tem isso rs oq eu acho chato é que a pessoa amava alguem e de repente do nada, começa a amar outra pessoa .-. pela resenha eu torceria pelo Aspen u.u não acho legal ela se casar com o príncipe, nem entendo pq ela se inscreveu. Parabéns pela resenha, ficou ótima.

    ResponderExcluir
  8. Sou apaixonada por essa trilogia, uma das coisas que me cativou além dos personagens foi a ambientação desse mundo..achei incrivel, vale mto a pena a leitura!

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo