#Resenha “O Lado Bom da Vida”

 

  • Título: O Lado Bom da Vida
  • Autor: Matthew Quick
  • Editora: Intrínseca
  • Páginas: 256
  • Conceito: 1234

Pat Peoples, um ex-professor de história na casa dos 30 anos, acaba de sair de uma instituição psiquiátrica. Convencido de que passou apenas alguns meses naquele “lugar ruim”, Pat não se lembra do que o fez ir para lá. O que sabe é que Nikki, sua esposa, quis que ficassem um "tempo separados". Tentando recompor o quebra-cabeças de sua memória, agora repleta de lapsos, ele ainda precisa enfrentar uma realidade que não parece muito promissora. Com seu pai se recusando a falar com ele, sua esposa negando-se a aceitar revê-lo e seus amigos evitando comentar o que aconteceu antes de sua internação, Pat, agora um viciado em exercícios físicos, está determinado a reorganizar as coisas e reconquistar sua mulher, porque acredita em finais felizes e no lado bom da vida. Tendo a seu lado o excêntrico (mas competente) psiquiatra Dr. Patel e Tiffany, Pat descobrirá que nem todos os finais são felizes, mas que sempre vale a pena tentar mais uma vez. Um livro comovente sobre um homem que acredita na felicidade, no amor e na esperança.

Decidi ler “O Lado Bom da Vida” principalmente por causa da adaptação do livro para os cinemas estrelado por Bradley Cooper e Jennifer Lawrence (Jogos Vorazes), mas além disso a sinopse do livro é bem promissora, e eu estava com vontade de fazer uma leitura mais realista. Não encontrei exatamente essa “realidade” já que o protagonista Pat tem problemas mentais, e ele não é o único nessa história, mas felizmente amei ler “O Lado Bom da Vida”, e tenho muito para comentar sobre este emocionante livro.

  • "(…) Quando li a história propriamente dita — que conta como Gatsby ama Daisy, embora não consiga nunca ficar com ela, por mais que tente —, tive vontade de rasgar o livro ao meio, ligar 
  • para Fitzgerald e dizer que o livro dele está todo errado, embora eu saiba que Fitzgerald provavelmente já morreu.”

Pat acabou de sair do hospital psiquiátrico, o qual ele se refere como “lugar ruim”, ele acredita que ficou apenas alguns meses lá e está determinado a concertar as coisas na sua vida, e seu principal objetivo é ter a sua amada esposa Nikki de volta e acabar com o “tempo separados” dos dois. Morando no porão dos seus pais, tudo o que Pat faz é para se tornar uma pessoa melhor para Nikki, porque ele não foi um bom marido enquanto eles estavam juntos.  A principal a atividade de Pat, além de ler os livros clássicos que sua mulher gosta, é malhar. Pat está totalmente viciado em malhação e corre e pega pesos por quase todo o dia.

Acontece que Pat não ficou alguns meses internado, e sim quatro anos, ele não se recorda de todo esse tempo e principalmente perdeu a memória do ocorrido que o fez ser internado. Nikki nunca o visitou durante esse tempo, e sua família de amigos não citam sua ex-esposa apesar da insistência de Pat. É nesse contexto que Pat conhece a viúva Tiffany, cunhada do melhor amigo. Tiffany é ainda mais doida que Pat, ela não lidou bem com a morte do seu marido, é extremamente anti-sociail e grossa, mas ela pode ser a única pessoa que pode ajudar Pat a reencontrar Nikki, mas Tiffany não é exatamente o elo que Pat esperava.

Eu gostei demais dos personagens deste livro, e agora realmente acredito que as melhores pessoas podem ser as mais estranhas e até mesmo doidas, Pat é um prova disso, e é muito legal como ele pelo menos tenta ver o lado bom das coisas mesmo quando sua vida está de ponta cabeça. Tiffany é a personagem que tem as atitudes mais surpreendentes do livro, e ela também deixa o livro mais engraçado com suas loucuras. Outro destaque do livro é o Dr. Patel, que consulta Pat todas as semanas, e tem um jeito diferente de tratar seus pacientes, e acaba se tornando um psicólogo-amigo de Pat.

  • “(…) Provavelmente estaremos conversando durante o jantar, e a citação fará Nikki sorrir e então gargalhar, porque ela i cará muito surpresa por eu realmente ter lido O grande Gatsby. Isso faz
  • parte do meu plano, em todo caso, dizer essa frase bem casualmente, quando ela menos estiver esperando que eu “derrame sabedoria” — para usar outra das falas do meu amigo negro Danny.
  • Meu Deus, mal posso esperar.”

Pat, seu irmão, pai, amigos, e também o Dr. Patel, são torcedores fanáticos de um time de futebol americano, e voltar a socializar e fazer parte de um grupo de pessoas tão apaixonadas por um time quanto ele, ajuda muito na recuperação de Pat. O pai de Pat, interpretado por Robert De Niro no filme, se recusa a conversar com o filho que tem problemas mentais, e seu humor é medido pelas vitórias e derrotas do seu time de futebol, se eles ganharem ele pode até falar um pouco com Pat, se perderem ele fingi que Pat não existe. Não gostei do pai do Pat, ele é muito introvertido e é um absurdo tratar a família mal por causa de um time, para mim isso o faz mais doido que Pat, mas quem pode realmente julgar a loucuras de Pat e Tiffany?

O que me incomodou um pouco é que Pat fica muito tempo em estado de negação, ele sabe que passou anos internado mas não quer reconhecer ou lidar com isso, e só pensa em reconquistar e agradar Nikki, sendo que ele nem pode vê-la, e isso prejudica sua ainda instável sanidade mental. Mas Pat acredita no lado bom da vida, e acredita que ele pode ter um final feliz com sua mulher. Tiffany não é de muitas palavras, então nunca sabemos o que ela sente e quais suas intenções na história até o final do livro.

“O Lado Bom da Vida” é muito bem escrito, uma leitura gostosa que me prendeu do início ao fim. O mistério do que aconteceu para Pat ser internado, ter problemas para controlar a raiva, e não poder de jeito nenhum ouvir uma certa música não nos surpreende muito, mas mesmo assim não deixa de ser interessante de ser lido quando Pat finalmente se recorda. Eu gostei demais desse livro, achei que ele passou uma mensagem interessante, afinal finais felizes nem sempre são aqueles que agente esperava.

Indico demais o livro, desde que terminei de lê-lo pensei em escrever essa resenha logo pois eu sabia que ia ser uma fácil comentar sobre essa história. É um livro curto, emocionante, muito agradável de ser lido, e que realmente nos ajuda a acreditar no lado bom da vida. Não deixem de ler! (Agora quero muito conferir a adaptação, comento minha opinião com vocês logo depois que eu assistir).

10 comentários:

  1. Eu fiquei interessada no livro assim que foi divulgada a adaptação cinematográfica. Parece bem triste o livro, mas realmente muito bom. Vou esperar um pouco pra lê-lo pois com tanto livro depressivo que tem por aqui agora é capaz de eu esgotar o estoque de lágrimas. Espero ansiosa para ver Jennifer novamente nas telonas.
    Beijinhos, Greice.

    ResponderExcluir
  2. Eu só tenho ouvido críticas positivas sobre O lado bom da vida. Mas estou mais interessada em ver o filme que ler o livro. Vou baixar, porque não tem data de estreia prevista aqui em Recife.

    ResponderExcluir
  3. Eu vi apenas o filme mais estou doida pra ler o livro.
    Nossa, fiquei encantada com a história desses dois doidos.
    Agora minha vontade de ler o livro só aumentou mais é mais.
    Bjos...

    ResponderExcluir
  4. Eu ameeeeei este livro, a narrativa dele é uma delícia e eu me encantei a cada página virada, entrou para a lista de favoritos.
    Infelizmente o filme não conseguiu a mesma preferência, acho que o ator não conseguiu captar a essência de Pat.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  5. Já comprei o livro no Submarino, porém só lança dia 10 no site :( Estou esperando! Adorei a resenha, e admito que quero muito o livro em minha estante por ter minha diva Jennifer na capa <3 Estou doida para poder lê-lo logo (e poder ver o filme também!). Beijos,
    Bruna Alves.

    ResponderExcluir
  6. Assisti o filme no sábado e amei, agora quero muito ler o livro. Ele parece ser tão bom quanto o filme.

    ResponderExcluir
  7. Estou BEM curiosa pra ler esse livro, por cota que os blogueiros (assim como voce) estam falando muito bem do livro.

    ResponderExcluir
  8. eu assisti o filme ontem e gostei bastante. Adorei a sua resenha também, mas pra mim parece bem diferente do filme, quero ler.

    ResponderExcluir
  9. Sou fanática por capas, para mim as capas falam muito do livro. E eu amei a cada do ''O lado bom da vida'' antes mesmo de saber que existia o livro eu vi passar na tv o filme e fiquei maluquinhaa para assistir, dias depois quando fui numa livraria e vi que era um livro, meu Deus eu enlouqueci..E desde então estou querendo muito ler este livro.

    ResponderExcluir
  10. Eu estava totalmente satisfeito com a história, eu adorei. A história eu achei muito bom, bem executar um script, engraçado e inteligente. Abotoaduras entre Jennifer Lawrence e Bradley Cooper me espanta, posso dizer que é um dos melhores filmes de drama Cooper. Atuações ótimas até mesmo dos coadjuvantes Robert De Niro e Jacki Weaver estão ótimos. Uma ótima historia, madura, diferente de todas essas comedias dramáticas/românticas. Vale muito apena acompanhar.

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo