#Resenha “Legend” - Trilogia Legend #1

 

  • Título: Legend
  • Autora: Marie Lu
  • Editora: Prumo
  • Páginas: 256
  • Conceito: 12335

O que outrora foi o oeste dos Estados Unidos é agora o lar da República, uma nação eternamente em guerra com seus vizinhos. Nascida em uma família de elite em um dos mais ricos setores da República, June é uma garota prodígio de 15 anos que está sendo preparada para o sucesso nos mais altos círculos militares da República. Nascido nas favelas, Day, de 15 anos, é o criminoso mais procurado do país; porém, suas motivações parecem não ser tão mal-intencionadas assim. De mundos diferentes, June e Day não têm motivos para se cruzarem – até o dia em que o irmão de June, Metias, é assassinado e Day se torna o principal suspeito. Preso num grande jogo de gato e rato, Day luta pela sobrevivência da sua família, enquanto June procura vingar a morte de Metias. Mas, em uma chocante reviravolta, os dois descobrem a verdade sobre o que realmente os uniu e sobre até onde seu país irá para manter seus segredos.

“Legend” é exatamente o tipo de distopia que eu adoro ler, a autora Marie Lu conseguiu colocar neste livro todos os elementos que fazem a literatura distópica ser meu gênero de leitura preferido, isso sem deixar a história menos original. Ambientado numa Los Angeles futurística, “Legend” conta a história de Day, o criminoso mais procurado do país, e June, a garota prodígio da República. O caminhos dos dois se cruzam quando o irmão de June é assassinado e Day é culpado pelo crime, agora cabe a June a tarefa de capturá-lo,  e ela não medirá esforços para ter sua vingança e aprisionar a lenda de resistência contra a República.

  • "(…) É por isso que me odeiam, porque não sou o criminoso mais perigoso do país, e sim o mais procurado. Eu faço que eles pareçam ineficientes, pois não conseguem me capturar."

A história de passa na República da América, um país em constante conflito com as colônias vizinhas e com rebeldes dentro da nação. Quando completam dez anos, todas as pessoas que vivem na República têm que passar por uma prova, e é a nota dessa prova que vai determinar quem vai para as melhores faculdades, que tipo de emprego essa pessoa terá, ou quem vai viver na miséria e até mesmo morrer. Além disso, a população é assolada por inúmeras pragas, doenças cada vez piores que aparecem repentinamente e que atormentam a população mais pobre até que a cura seja descoberta, ou até que eles morram.

Day sempre viveu no lado pobre da República, e viu bem de perto inúmeras injustiças. Desde que ele não conseguiu uma boa pontuação na prova e escapou por muito pouco da morte, ele vive nas ruas. Day é um sobrevivente, ele não tem nenhuma ligação com as Colônias ou com os rebeldes, mas já cometeu inúmeros crimes muito audaciosos que atormentam a República, pois ele não é o criminoso mais perigoso, mas sim o mais procurado, e apesar de sua ficha criminal aparecer nos telões da cidade, nunca ninguém foi capaz de pegá-lo ou mesmo ter um ideia de qual é sua aparência, Day é uma lenda das ruas.

No extremo oposto da República está June Iparis, a única pessoa que oficialmente conseguiu tirar a pontuação máxima na prova da República. Ela estuda na melhor faculdade e tem futuro brilhante reservado nas forças armadas, como seu irmão e único parente vivo, o Capitão Metias. June é super inteligente e determinada a conseguir o que quer, mas sua vida dá uma grande reviravolta quando seu irmão é assassinado e o principal suspeito é justamente Day, a lenda que antes ela admirava por sua perspicácia. Agora June está nas forças armadas da República e nada poderá impedi-lá de conseguir sua vingança, e capturar a única pessoa da República que pode ser tão inteligente e perigoso quanto ela, Day.

  • “(…) Eles nunca descobriram o culpado e eu nunca me entreguei. Afinal, não haviam evidências. Eu havia cometido meu primeiro crime perfeito. Minha mãe costumava ter esperanças que eu um dia seria melhor que minhas raízes humildes. Seria alguém bem sucedido, talvez até famoso. Eu definitivamente sou famoso, mas não acho que é nesse tipo de fama que ela estava pensando.”

Essa história é de tirar o fôlego! É impossível largar o livro sem descobrir o que vai acontecer em seguida com June e Day, personagens que vivem em realidades diferentes, mas, que também possuem muito em comum. Impossível não se envolver com esses protagonistas, sofremos com a solidão e desejo de vingança de June, e o desespero de Day ao descobrir que a praga ameaça a família que ele deixou para trás.

Os capítulos do livro são intercalados entre os pontos de vista de Day e June, estando em lados opostos não sabemos para quem torcer, só podemos esperar que eles se encontrem logo e fiquem juntos para lutar contra República. Mas June está “dentro do sistema” e será muito difícil para ela descobrir que viveu em uma mentira durante toda a sua vida, afinal ela nunca havia visto o lado podre do seu país até começar a caçar Day nos lugares mais pobres, onde muitos vivem nas ruas ou estão isolados por  causa da praga, uma realidade em que a República não é gloriosa. “Ainda não me habituei às paredes desmoronadas, às fileiras de roupas usadas penduradas nas varandas, ou aos grupos de jovens mendigos esperando que os passantes lhes deem algo para comer."

“Legend” é leitura de apenas uma tarde, pois o livro é bem curto, e para mim foi como ler um roteiro de um filme. Enquanto eu lia imaginei um filme completo em que nenhuma cena precisaria ser cortada ou modificada, Marie Lu criou uma história perfeita para ser adaptada para os cinemas,  ou melhor ainda, para uma série de TV! A história de Day e June é muito emocionante, cheia de ação e mistérios, e não apenas a verdade que os dois desvendarão se tornará uma lenda, mas quando eles descobrirem os segredos mais podres da República, Day e June se tornarão lendas. 

A autora não pecou em nada, conseguiu colocar muita ação, mistérios, e romance nas doses certas, e eu me apaixonei por essa história. Amei o rumo que a história tomou e não posso estar mais ansiosa para ler “Prodigy”, o próximo livro dessa trilogia que promete muito, e que com certeza já se tornou uma das minhas favoritas! Indico muito livro, não apenas para aqueles que gostam de distopias, mas todos que gostam de história curtas, mas que sabem desempenhar muito bem seu papel, com uma ótima narrativa e personagens que se tornarão literalmente lendas. Adorei ler esse livro <3 Preciso de “Prodigy” JÁ!!

  • “(…) Nunca lhe perguntei sobre esse nome de guerra. Por que Day?
  • - Porque cada dia significa novas 24 horas. Cada dia quer dizer que tudo é possível de novo. Você pode aproveitar cada instante, pode morrer num instante, e tudo se resume a um dia após o outro. - Ele olha para a porta aberta do vagão da ferrovia, onde faixas escuras de água cobrem o mundo.
  • - E aí você tenta caminhar sob a luz.”

11 comentários:

  1. Eu gosto deste gênero, mas não chega a ser o preferido, por isso, vou esperar um pouco mais para lê-lo ;)

    ResponderExcluir
  2. Eu amo esse gênero literário. É a primeira resenha que vejo desse livro, apesar de que bastante gente já leu.
    Eu adorei a resenha e já fiquei imaginando o que acontece nessa história. Com certeza vou comprar.
    Bjs Greice.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, eu amei esse livro e não vejo a hora de ler a sequência. A forma como a autora construiu a história é realmente incrível. Nós temos duas pessoas completamente opostas narrando suas próprias histórias, aparentemente completamente distintas, até que elas se entrelaçam quando ambos conhecem o verdadeiro "lado" da República. É um livro genial, mas realmente muito curto. Ainda bem que teremos uma continuação. Parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
  4. Adorei sua resenha!
    Agora estou mais tranquila pois não sabia se esta distopia iria me agradar. Mas gostei de saber que a autora não pecou em nada, aliás, isto é bem importante para uma boa leitura (:
    E eu já imaginava que era rapidinho ler devido ao tamanho do livro.
    Espero poder ler logo *-*

    Beijinhos,
    Thais Priscilla
    http://thaypriscilla.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. De cara ja tinha gosta desse livro pela capa (apesar de nao conseguir imaginar o mundo em 2.130 ), o mundo que a autora relata deve ser muito.. louco. Curiosidade a parte para conhecer Day, gostei da personalidade dele.

    ResponderExcluir
  6. Quero ler muito esse livro, distopia está entre os meus gêneros favoritos e esse livro parece ser de tirar o fôlego.

    ResponderExcluir
  7. Eu simplesmente AMO distopias! Praticamente todos livros que estão no gênero estão entre meus favoritos. Divergente, A Seleção, Jogos Vorazes... Amo! Esse livro parece ser de tirar o fôlego. Estou doida para ler! Vou procurar por alguma promoção no Submarino em breve (haha).
    Beijos, Bruna Alves.

    ResponderExcluir
  8. Ei Gabi,

    Quero muito ler, sou viciadas em distopias e quero este desde que lançou.Está na lista de futuras compras rs.

    bjs

    ResponderExcluir
  9. eu to relendo esse livro,e é realmente maravilhoso o mundo de Legend, tbm mal posso esperar por Prodigy!!! Pra quem não sabe, como THG, esse livro tbm tem um jogo no facebook \o/ Cities of Legend

    ResponderExcluir
  10. sua resenha deixa a gente empolgado pra ler e saber oq acontece, ainda mais sob a sua perspectiva que amou tanto o livro. Que horror ter que fazer uma prova aos 10 anos que define a sua vida toda, né? essas distopias geralmente são uma visão ruim da sociedade, nunca ouvi falar de uma que seja melhor que a nossa realidade. Me lembrou Seleção também com as castas e tal. Mas essa me interessou mais, acho que seria uma boa primeira distopia pra eu ler

    ResponderExcluir
  11. Eu não sei, mas acho que só eu não achei esse livro grandes coisas... Narrativa mega mecanica e sem emoção, mas ótima resenha

    Robs - http://perdidoempalavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo