#Resenha A Pirâmide Vermelha - As Crônicas dos Kane #1

 

  • Título: A Pirâmide Vermelha - As Crônicas dos Kane #1    
    Autor: Rick Riordan
  • Editora: Intrínseca
  • Páginas: 445
  • Conceito: 12344

Desde a morte de sua mãe, Carter e Sadie viveram perto de estranhos. Enquanto Sadie viveu com os avós, em Londres, seu irmão viajava pelo mundo com seu pai, o egiptólogo brilhante, Dr. Julius Kane.
Uma noite, o Dr. Kane traz os irmãos juntos para uma experiência de “pesquisa” no Museu Britânico, onde ele espera para acertar as coisas para sua família. Ao contrário, ele liberta o deus egípcio Set, que expulsa-lo ao esquecimento e forças das crianças a fugir para salvar suas vidas.
Logo, Sadie e Carter descobre que os deuses do Egito estão acordando e, o pior deles – Set – tem a sua visão sobre o Kanes. Para detê-lo, os irmãos embarcam em uma perigosa viagem em todo o mundo – uma busca que traz os cada vez mais perto da verdade sobre sua família e seus vínculos com uma ordem secreta que existiu desde o tempo dos faraós.

Olha eu aqui de novo gente (Robs). Hoje venho falar sobre o livro A Pirâmide Vermelha, que  faz parte de uma trilogia denominada As Crônicas dos Kane, trilogia escrita pelo autor Rick Riordan, mesmo autor da série Percy Jackson e os Olimpianos. Eu sou um pouco suspeito pra falar de qualquer um dos livros, pois sou imensamente apaixonado pela saga então tentei ser o mais imparcial possível, espero que vocês gostem da resenha.

" O que você vai ler neste livro é a transcrição de um registro digital. Em certos pontos, a qualidade do áudio era ruim, por isso algumas palavras e frases representam o melhor palpite do autor(...)"

O livro em questão não fica muito atrás de Percy Jackson, nem pode ser comparado, pois possui uma trama única e quase totalmente diferente que seu “irmão”, a não ser o fato de utilizarem a mitologia como fonte e serem do mesmo autor.

Há uma grande inovação na narrativa deste livro (algo que, pelo menos eu não havia visto), a estória é transcrita a partir de uma gravação feita pelos dois personagens principais, Sadie e Carter Kane, onde eles descrevem cada fato que ocorreu durante toda a trama e como resolveram os obstáculos que encontraram em seu caminho. Os dois alternam a narrativa, alguns momentos Carter conta do seu ponto de vista e em outros Sadie comanda a explicação dos fatos, que da um “up” na estória. O fato de ser uma gravação ajuda muito mais na criatividade do autor, que adicionou para dar uma incrementada na trama, brigas de fundo dos dois irmãos em quanto um narrava os fatos, o que creio eu, ter dado uma concretizada na ideia de ser uma gravação.

Para os fãs de mitologia egípcia é um prato cheio, o autor consegue ser muito fiel quanto às histórias dos deuses, suas culturas e dentre outros aspectos importantes, como a pratica de magia pelos egípcios antigos. A exploração de cenários que o autor utiliza é incrível, a trama se passa na Inglaterra, na França, nos Estados Unidos e Egito. Uma grande diversidade de cenários, o que deixa os combates muito mais interessantes.

Os nossos Kanes estão no meio de uma confusão enorme entre deuses, no decorrer da trama eles encontram deuses que certamente estão junto com eles, mas também encontram muitos outros que estão a fim de ver sua cabeça rolar.

Com a mãe morta e o pai desaparecido, eles se vêm sem alternativa, a não ser o terminar o que seus pais começaram, com deuses furiosos e magos da casa da vida atrás deles, Sadie e Carter procuram ao máximo cumprir sua tarefa, nem que para isso precisem entregar sua própria vida.

É bom esquecer todos os seus conceitos sobre magia ao ler esse livro, nada de olhares ameaçadores, círculos de poder ou vassouras voadoras. Aqui o que comanda são os cajados egípcios e os Hieróglifos (símbolos do dialeto egípcio) que para os magos são as palavras necessárias para criar qualquer tipo de magia necessária. Portais, barcos voadores, bonecos de argila completamente inteligente e babuínos que gostam de doritos estão inclusos na trama.

Um número ideal de paginas que não chega nem a ser cansativo nem muito curto, isso que chama a atenção, uma trama tão maravilhosa e tão bem feita, mas que não consegue ser densa para incomodar o leitor. A leitura leve que o livro proporciona faz com que o leitor entre cada vez mais fundo na estória do livro e queira sempre mais, algo fundamental para o sucesso de um livro, afinal quem quer ler um livro de suas quatrocentas ou mais paginas sem nenhum chamativo?

A Pirâmide Vermelha já esta a venda e o seu sucessor O Trono de Fogo também, quem ainda não leu eu sugiro que leia rapidamente, pois o terceiro e ultimo volume da série será lançado em breve.

  

4 comentários:

  1. Robs, adorei a resenha. Já vou marcar como um dos meus favoritos xD

    ResponderExcluir
  2. Tenho o livro aqui faz um tempinho e não encontro tempo para lê-lo.
    Amo o Rick por isso minhas expectativas para esta leitura estão altas, apesar de minha irmã ter lido e comentado que não gostou do final :/

    Amei a resenha Robs! ^^

    ResponderExcluir
  3. Assim com a Gabi, me falta tempo para ler o livro! Mas, diferente dela, ainda não o comprei :B
    Não sabia que era uma trilogia, pensei que seriam mais livros. Bom, melhor assim; já já saiu o último e o submarino lança uma super promoção :D kkk

    Adorei a parte do babuínos que adoram doritos. Adoro essas "modernidades" do Rick :P

    :*

    ResponderExcluir
  4. Eu também adoro as modernices do tio Rick

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo