#RESENHA A Batalha do Apocalipse

 
  • Título: A Batalha do Apocalipse
    Autor: Eduardo Spohr
  • Editora: Verus (Grupo Editoral Record)
  • Páginas: 586
  • Conceito: 12344
Há muitos e muitos anos, há tantos anos quanto o número de estrelas no céu, o Paraíso Celeste foi palco de um terrível levante. Um grupo de anjos guerreiros, amantes da justiça e da liberdade, desafiou a tirania dos poderosos arcanjos, levantando armas contra seus opressores. Expulsos, os renegados foram forçados ao exílio, e condenados a vagar pelo mundo dos homens até o dia do Juízo Final. Mas eis que chega o momento do Apocalipse, o tempo do ajuste de contas, o dia do despertar do Altíssimo. Único sobrevivente do expurgo, o líder dos renegados é convidado por Lúcifer, o Arcanjo Negro, a se juntar às suas legiões na batalha do Armagedon, o embate final entre o Céu e o Inferno, a guerra que decidirá não só o destino do mundo, mas o futuro do universo. Das ruínas da Babilônia ao esplendor do Império Romano; das vastas planícies da China aos gelados castelos da Inglaterra medieval. A Batalha do Apocalipse não é apenas uma viagem pela história humana, mas é também uma jornada de conhecimento, um épico empolgante, cheio de lutas heróicas, magia, romance e suspense.
Oi denovo gente, Robs aqui. Hoje eu vim aqui pra fala sobre o livro A Batalha do Apocalipse, do nosso queridissímo Eduardo Spohr. Se você é de fato um fã de literatura fantástica, por favor, não perca nem um minuto do seu tempo e comece a ler esse livro agora. 
  • “O amor é uma tolice. Ele nos torna fracos, vulneráveis. O amor é uma ilusão passageira, fadada
  • a terminar um dia. Só os imbecis se redem a tais sentimentos. O amor por si é o único amor verdadeiro, porque no fundo nós, homens, anjos ou demônios, somos egoístas ao extremo(…)” Lilith.
Uma trama incrível, personagens carismáticos, habituado em lugares e épocas fantásticas e o mais importante: tudo com base nos mais puros acontecimentos históricos. Estes são, em minha humilde opinião, os principais aspectos sobre esta obra de arte da nossa literatura, e que a faz tão bela e única.
De inicio as pessoas que não estão acostumadas com a leitura podem até se assustar com o número de paginas (o que é só um detalhe), mas o principal é que quando você começa a ler este livro você se desliga totalmente do convencional, se aprofunda em um universo único em que o autor consegue associar desde demônios até deuses de outras culturas sem ao menos perder um minuto do foco principal e sem parecer uma coisa totalmente sem sentido.
Dentro do universo de A Batalha do Apocalipse você vai se deparar com eventos extasiantes de pura emoção e ação. O modo como o nosso querido Eduardo Spohr consegue encaixar o passado quando se esta em meio a uma narração sobre algo que esta ocorrendo no presente por meio de flashbacks é impressionante, isso acaba dando mais e mais pontos positivos para a obra. Os momentos históricos que são abordados nesses flashbacks são tão fieis aos reais fatos e encaixados aos personagens de forma tão convicta que acabam por se destacar cada vez mais, e junto com isso só nos demonstra mais ainda a capacidade do autor de escrever com coerência e sem muito exagero.
Algo que eu também julgo ser interessante é que esses momentos dos flashbacks se não forem lidos com a mesma vontade e interesse você certamente perdera muita da história quando chegar ao fim e for necessária a conexão de todos esses pontos.
Como eu já havia mencionado, o autor consegue envolver diversas criaturas na trama de forma convincente e de uma maneira que elas possam interagir entre si sem que pareça loucura, essa interação é dada entre anjos, deuses, humanos, feiticeiro, demônios, espectros e muitas outras criaturas brilhantes.
Um romancezinho também não falta para aqueles que gostam, mas é claro que não é algo meloso e enjoativo. O nosso personagem principal Ablon, ao decorrer da história vai se apaixonando por uma feiticeira meio que sem consentimento disso, afinal ele é um anjo querubim e anjos não deveriam ter sentimentos.
Como o próprio nome do livro já diz, é a o apocalipse que esta em jogo, e obviamente o nosso querubim lutara com a ajuda de outros para descobrir outro modo. É nesse decorrer que vamos descobrindo os lugares do mundo, com a viagem pelo mundo junto com Ablon, que tem seu “inicio” no Rio de Janeiro.
Aqueles momentos que eu disse lá em cima uma hora se ligaram e com isso nos iremos desvendar os mistérios remanescentes (uow, mais um ponto positivo), eu adoro quando as coisas que ocorrem durante uma trama começam a se ligar nos momentos finais e foi isso que me cativou também e creio que ira lhe cativar também.
A leitura é um pouco densa, não é livro que você pega e lê em três ou quatro dias, são necessários alguns a mais. Para uma pessoa detalhista como eu, que tem o costume de reler os capítulos quando não entende a ideia por traz dele, é provável que demore mais um pouco. A obra é composta em 569 paginas de pura ação e emoção que conseguem te fazer montar a cena inteira em sua mente e te levar para dentro delas, em certos momentos eu tenho que confessar que eu me senti como um dos personagens pelo jeito totalmente cativante deles. Agora me digam, já imaginaram tudo isso nas telonas do cinema? (sim, eu tenho a vontade de ver tudo isso nas telas). Isso seria incrível e muito magico, seria um daqueles filmes que nos esperamos o ano todo para assistir e quando finalmente chega o dia nós nos sentimos honrados em testemunhar toda a luta do autor para que aquilo se tornasse possível.
E o Dudu não parou por ai, ele esta com mais uma obra que se chama Herdeiros de Atlântida, ela já teve seu primeiro volume publicado (Filhos do Éden), e o segundo volume sai ainda em 2012 (Anjos da Morte).

    9 comentários:

    1. Eu vi um cara lendo esses dias e fiquei com vontade, agora você me deixou com mais vontade ainda, Robs!

      ResponderExcluir
    2. LEIA, é muito bom, muito mesmo, É por esse e outros livros que eu digo que a Literatura Brasileira tem muita coisa boa

      ResponderExcluir
    3. Tenho MUITA vontade de ler esse livro!
      E já disse que AMEI resenha? hahahahahahaha *-*
      Já conversei com o Eduardo por e-mail ano passado *fazendo inveja* e ele é MUITO simpático! Queria conhecer ele e o pessoal do Jovem Nerd na bienal D:

      ResponderExcluir
    4. Gabi, ele é muito gente boa, se quiser eu te empresto o livro, e horas, nós vamos na bienal no dia 19, que é o dia dos autógrafos dele

      ResponderExcluir
    5. Eu já tinha visto esse livro mas nunca realmente havia pensando em lê-lo até hoje, depois de ler essa resenha. Eu também gosto de me ater aos detalhes que normalmente volto quando não entendo algo, mas a trama me pareceu interessante, ainda mais que envolve anjos/arcanjos/anjos caidos.

      Definitivamente entrou pra minha lsita de "lerei" do skoob.

      Ótima resenha, Rob *-*
      Comentário feito por Virna Alves

      ResponderExcluir
    6. Já tive muita vontade de ler esse livro, mas acabei encontrando várias resenhas que me desanimaram :~
      Além dos blogs, alguns amigos meus também começaram e não gostaram. Mas é bom achar opiniões diferentes :)

      :*

      ResponderExcluir
    7. a Thais, que chato ein. Eu amo esse livro mesmo, não tem como, o que pode ter desanimado seus amigos foi o numero de paginas e o fato de no inicio o autor da um foco mais explicativo e não tanto a ação, mas esse clima não dura tanto, então vale a pena tentar viu.

      ResponderExcluir
    8. Adorei a resenha Robson. Vai entrar pra minha lista de "must have". Adorei o blog ><
      Abç

      ResponderExcluir
    9. nossa adoro a resenhaaaa to querendo ler o titulo é ótimo a batalha do apocalipse seria muitooo legal que vira-se filme mas acho que deveria fazer dois filmes pois se não ia ficar muito corrido os acontecimentos

      ResponderExcluir

    Adoro receber críticas construtivas! :)
    Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
    Obrigada desde já pelo carinho!

    xoxo

    © Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
    Criado por: Gabriela Morgante.
    Tecnologia do Blogger.
    imagem-logo