10 Ideias para aumentar o número de leitores no Brasil

Recentemente li uma pesquisa muito comentada do Instituto Pró-Livro, que revelou que os brasileiros estão lendo menos. Pessoalmente não concordo com essa pesquisa, simplesmente porque a base dela foram os números de visitantes nas bibliotecas brasileiras. O número de leitores brasileiros tem aumentado sim, e nunca houveram tantos jovens leitores no país, mas essas pessoas, assim como eu, não tem o hábito de ir em bibliotecas - vou apenas em razão dos livros do vestibular - e muitos preferem comprar seus livros ou até mesmo ler em mídias digitais, logo os dados desta pesquisa do Pró-Livro obviamente são falhos.

Pensando em melhorar o número ainda pequeno de bookaholics no Brasil, o blog Lista Literárias criou dez ideias para aumentar o número de leitores no país, mesmo não concordando com a pesquisa achei as ideias interessantes pois todos sabemos que os brasileiros deveriam ler mais, confiram as ideias abaixo.   

1 - Reduzir os preços, reduzindo impostos: Em muitos comentários aqui do blog já vi queixas quanto ao preço dos livros, e que estes afastam os leitores. Obviamente o cenário de preços já foi pior, mas ainda há aqueles que não tem acesso à literatura por causa do preço dos livros.

Deste modo a redução de impostos na cadeia produtiva do livro (e mais desconto ainda em publicações nacionais) com certeza reduziria o preço dos livros, e aumentaria o número de leitores;

2 - Exigência social: O cenário da leitura é ainda mais alarmante nas famílias mais carentes. No entanto há nesse perfil uma forma do governo agir, sem ter grandes esforços, bastando exigir que dentre os recursos pagos pelos programas de transferência de renda, como o bolsa família, tenha uma parcela exclusiva para a compra de livros de literatura; 

3 - Otimização das bibliotecas públicas: As bibliotecas públicas são excelente fonte de leitura gratuita, porém estima-se que 75% dos brasileiros jamais tenham entrado numa. Isto deixa claro que é preciso otimizar e revitalizar tais espaços, como ampliar seus acervos, principalmente com aquisição de obras comerciais que atraem grande interesse do público;

4 - Arregimentação: Sim, aqueles que gostam de ler, podem contribuir bastante para melhorar estes números. E a tarefa não é muito complicada, pois vejamos, se consideramos que 50% dos brasileiros fazem parte do perfil de leitores, basta que cada um destes convença 01 não leitor e submergir nas páginas dos livros;

5 - Vale 1 Livro: Já falamos que muitas vezes o dinheiro nos impede de comprar mais livros. Nesse país o que não falta são programas sociais, mas infelizmente nada relacionado aos livros. Por isso seria bem interessante termos um cartão mensal de Vale 1 Livro, para nos abastecermos de conhecimento e cultura por meio dos livros;

6 - Escola pode +: A escola é ainda o principal fomentador (ou agente de obrigação) da leitura, mas convenhamos que qualquer número que nos mostre que um jovem em idade escolar leia menos de um livro por mês, é insuficiente. Por isso é necessário um dialogo conjunto para obter formas de estímulo a leitura dentro do ambiente escolar;

7 - Harry Potter nos currículos escolares: Não raro, também aqui nos comentários do blog li manifestações sobre as leituras obrigatórias na escola. Não que elas não devam existir, mas convenhamos que ninguém adentrará ao mundo dos livros sem um processo de escalada na complexidade de suas leituras. Em minha época por exemplo jamais fui apresentado a Monteiro Lobato, e seus personagens, como hoje em dia nenhuma escola fala dos livros que estão na boca da juventude, como Harry Potter, Crepúsculo e Percy Jackson. É importante que o preconceito seja deixado de lado também por professores, pois não raro há os que abominem leituras tidas como comerciais, ou não clássica. Pior que um aluno que lê aquilo que o professor não gosta, é aquele que não lê nenhum livro;

8 - + Livrarias: Se não há onde comprar livros, menos leitores. Milhares de cidades brasileiras (a minha é uma delas) não possuem este estimado comércio que são as livrarias. É preciso ações que possibilitem que toda cidade brasileira possua ao menos uma livraria;

9 - Envolver escritores: A participação de escritores nas escolas e municípios é outra forma de estimular a leitura, pois há uma grande diferença quando o jovem pode bater um papo pessoalmente com o autor. É necessário que estes tipos de eventos se multipliquem e cheguem na maioria das cidades;

10 - Envolver mídias de massa: Mas do que campanhas institucionais seria um grande auxílio a literatura que meios como a televisão apresentassem um número maior de programas, ou personagens em séries e novelas adeptos da leitura como algo intrínseco ao seu crescimento cultural.

Impossível não concordar com essa ideias, certo? Na minha opinião “Harry Potter nos currículos escolares” poderia estar no 1º lugar :) E vocês leitores do Mundo Platônico, concordam com a pesquisa do Instituto Pró-Livro? Curtiram as ideias para aumentar o número de leitores no Brasil?

  • Fonte: Listas Literárias
  • Comentou? Então preencha o formulário! Saiba como participar da promoção “Eu Amo a Novo Conceito”.
  • 9 comentários:

    1. Concordo em número e grau!
      Se a leitura nas escolas não fosse algo obrigatório ou se pelo menos tivessem livro mais interessantes e fáceis para ler. Afinal, como um adolescente de 15 anos que nunca leu nada e diz que não gosta de ler, é obrigado a ler clássicos como Machado de Assis?
      Eu mesma odeio que me obriguem, e só acho que me encantei e viciei pela leitura pois iniciei como leitura assídua aos 11 anos com os livros de Sidney Sheldon. Acredito que se não tivesse começado a ler antes, quando fosse obrigada a iniciar como leitura com livros como Machado de Assis, Eça de Queirós e etc também odiaria. Tanto que no colegial eu não lia os livros quando me via sendo obrigada a ler certos clássicos da literatura brasileira e portuguesa, foi fui ler alguns depois que terminei o colegial ou se eu já tivesse lido eles antes que me fosse imposto.
      Os livros, para quer está começando a pegar gosto ou nunca leu, não podem ser impostos e sim deixar a criança sentir prazer na leitura e escolher um tipo de livro que lhe agrade. E que tipo de bagagem uma criança/adolescente teria para entender plenamente uma obra tão complexa?
      É desestimulante para quem não gosta de ler. E dessa forma essa pessoa provavelmente não quererá saber de um livro novamente. Falo isso porque já conheci muitos colegas meus que nunca haviam pegado em um livro e de repente se vê diante de Dom Casmurro.
      Outro fator importante são os preços. Como querem que aumente as estatísticas de leitores se um livro custa em média R$40,00 a R$ 60,00? Fora que no Brasil os tipos de livros por mais diversificados que sejam ainda tem existe muitos que poderiam ser lançados aqui e não são, isso quando a tradução não são cortadas ou suavizadas.
      Pois é... já falei demais.
      Beijos

      ResponderExcluir
    2. Oi Gabi

      Achei bem legal seu texto, e concordo com ele completamente.

      Adorei principalmente a parte "7 - Harry Potter nos currículos escolares", seria uma boa. Aqui na minha cidade, para incentivar a leitura, eu e mais alguns amigos convencemos 5 salas a nos ajudar a convencer a professora de LP a nos dar um livro atual como meta de leitura no lugar de um ou outro clássico(pois ela passa dois livros clássicos por semestre). Ela concordou fazer uma experiência, porem acabou não dando certo, pois teve algumas pessoas que se comprometeram a ler e não leram nada, ¬¬. Infelizmente.

      ResponderExcluir
    3. Oii tdb, achei seu blog lindo, aceita afiliação ? Se não der, vc pode seguir lá meu blog? É eu estou com metas, espero td de bom para o seu blog,ele é liindo, bjs !
      http://s2sweetgirlforever.blogspot.com.br/

      ResponderExcluir
    4. De livraria eu não posso reclamar, aqui em Recife o que não falta é livraria (tem Saraiva, Imperatriz, Cultura... entre tantas outras!). Mas, como sempre, os preços são lá em cima. Quando compro, o faço online, sempre tem descontos!

      Livros clássicos. Isso me lembra a época de vestibulanda (faaaaz tempo!), quando eu não lia nada e continuei não lendo! Para o vestibular, li resumos! Triste, mas foi uma realidade. HAHAHA =/

      Hoje leio bastante, mas nada de clássicos. Ainda estou procurando alguma autor nacional que eu goste. Não gosto muito de chick-li e romances, fica mais difícil.

      Mas eu nunca vi tanto jovem lendo e comentando sobre o que lê, como eu vejo hoje!

      Enfim, acho que o mais difícil aqui no Brasil é o ACESSO à leitura. Vontade e interesse se cria! ^^

      ResponderExcluir
    5. Também penso que o número de leitores aumentou muito nos últimos anos, sobretudo entre o público infanto-juvenil!
      Quanto a ir à bibliotecas... Infelizmente, a distância e o estado dos livros me mantém afastada. Tenho rinite, então pisar em uma biblioteca cheia de livros empoeirados para mim é sinal de dias espirrando u.u (e isso reforça o 3º item da lista)

      Sobre o 7, concordo que a grade de leituras obrigatórias deveria ser reformulada... é claro que clássicos são importantes, mas, convenhamos, quem se interessa por leitura partindo apenas dos livros chatos que passam na escola? u.u
      Mas sobre HP, discordo.. É minha série favorita e eu amooo, mas, ainda assim, temos que lembrar que estamos em um estado laico, e que HP infringe várias leis de muitas religiões. Acho que, por isso, não seria uma boa idéia (embora aqui no Recife o primo de uma amiga tenha lido HP como paradidático...)

      Vi que a Maíra falou sobre as livraria do recife, mas tenho que discordar u.u
      Embora tenha grandes livrarias aqui, é exatamente isso: só há as livrarias padrão.
      Havia uma livraria no centro da cidade, a Potty (inclusive, vários eventos literários ocorriam lá) que faliu! Isso mesmo. Imagine a dor ao ver uma livraria que me divertiu por vários finais de semana sendo fechada :/

      E sobre o 9, uma escola da cidade da minha sogra teve uma iniciativa ótima, onde 3 livros de 3 alunos foram publicados. Achei simplesmente o máximo! :)

      Enfim, desculpe o tamanho do comentário kkkk

      :*

      ResponderExcluir
    6. Concordo com todas as dez ideias, todos poderiam aumentar o número de leitores aqui no Brasil que ainda considero relativamente pequeno, mesmo parecendo estar aumentando!

      ResponderExcluir
    7. Que pesquisa mais falha, levar em conta apenas o número de pessoas que frequenta bibliotecas, seria muito mais fácil e verdadeiro analisar as vendas pela internet,em sites como a Saraiva e o Submarino, onde a maioria das pessoas compra seus livros.

      Concordo (assim como os outros) com o "currículo literário" das escolas. Se eu pudesse ler os livros atuais que eu gosto, ao invés de ter que ler aquelas coisas velhas e empoeiradas, tenho certeza que muito mais crianças se interessariam pela leitura.
      Também acho interessante uma maior divulgação na mídia, eu vejo muito poucas propagandas relacionadas ao assunto.

      ResponderExcluir
    8. A realidade é que não é favorável para o governo que sejamos educados por livros e possamos tirar nossas próprias conclusões de qualquer coisa que seja. Uma prova disso é a mídia brasileira, a maior parte totalmente imparcial, e da onde a maioria do povo brasileiro tira suas conclusões.
      Na minha cidade existiam umas.. 3 livrarias, pelo menos. E vários sebos. Hoje só tem um sebo e nenhuma livraria. Quando preciso de algo que não consigo pela internet, como marcadores por exemplo, preciso visitar uma cidade ao lado pra conseguir encontrar alguma livraria. E agora me pergunta quantos bares tem nessa cidade.. vários. O preço dos livros vem abaixando, pelo o que eu percebo, mas ainda são caros. Não só de livros como de qualquer outro artigo original no Brasil.. são impostos sob impostos. Quem não gosta de ler aqui, não tem a oportunidade de gostar. Ou você tem uma criação que lhe ensina a ter esse gosto ou então surge uma oportunidade para que você aprenda a obtê-lo (como no meu caso).
      Parabéns pelo artigo. Beijos.

      ResponderExcluir
    9. Só não concordo com o número dois. O que essas pessoas recebem de bolsa família é muito pouco!! Infelizmente, elas têm necessidades mais urgentes que livros. Não dá pra exigir que parte dessa quantia, já reduzida, seja empregada pra esse fim. Por mais que a leitura seja muito importante, antes as pessoas precisam sobreviver.

      No mais, concordei com as colocações. E seria muito bom ter várias bibliotecas itinerantes, já existem em alguns lugares. O ideal seria que alcançassem todos os cantos do país, e de preferência levando literatura que interesse a todos os públicos às pessoas que não têm acesso a ela!

      ResponderExcluir

    Adoro receber críticas construtivas! :)
    Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
    Obrigada desde já pelo carinho!

    xoxo

    © Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
    Criado por: Gabriela Morgante.
    Tecnologia do Blogger.
    imagem-logo