#RESENHA “Estilhaça-me”

 

  • Título: Estilhaça-me
  • Autor: Tahereh Mafi
  • Editora: Novo Conceito
  • Páginas: 304
  • Conceito: 1234

Juliette não toca alguém a exatamente 264 dias. A última vez que ela o fez, que foi por acidente, foi presa por assassinato. Ninguém sabe por que o toque de Juliette é fatal. Enquanto ela não fere ninguém, ninguém realmente se importa. O mundo está ocupado demais se desmoronando para se importar com uma menina de 17 anos de idade. Doenças estão acabando com a população, a comida é difícil de encontrar, os pássaros não voam mais, e as nuvens são da cor errada. O Restabelecimento disse que seu caminho era a única maneira de consertar as coisas, então eles jogaram Juliette em uma célula. Agora muitas pessoas estão mortas, os sobreviventes estão sussurrando guerra – e o Restabelecimento mudou sua mente. Talvez Juliette é mais do que uma alma torturada de pelúcia em um corpo venenoso. Talvez ela seja exatamente o que precisamos agora. Juliette tem que fazer uma escolha: ser uma arma. Ou ser uma guerreira.

“Estilhaça-me” é uma distopia surpreendente. Não pensei que ia gostar tanto do livro, mas me apaixonei pela leitura logo nas primeiras páginas. A história é um tanto diferente das outras distopias, uma prisão angustiante que não parece ter fim, um vilão intenso e sem escrúpulos, um romance que faz a protagonista literalmente “sentir” pela primeira vez. Juliette tem uma maldição um dom, a aprisionaram e tentaram roubar sua sanidade, mas ela está determinada a não ser o monstro que todos acreditam que ela seja.               

  • “Às vezes penso que a solidão dentro de mim explodirá pela pele e, às vezes, não tenho certeza se chorar ou gritar ou rir de histeria resolverá alguma coisa. Às vezes estou desesperada por tocar, por ser tocada, por sentir, que tenho quase certeza de que vou cair de um penhasco em um universo alternativo no qual ninguém, nunca, será capa de me encontrar.”

Comentei na resenha de “Delírio” que o começo da história me lembrou muito o livro “Destino”, porque os dois livros, por serem distopicos, possuem todo aquele desenvolvimento inicial da história, enquanto conhecemos realidade diferente dos personagens, e a história só começa a alavancar a partir do momento que a protagonista percebe que é totalmente manipulada, e que vive em uma sociedade de opressão. Em “Estilhaça-me” não é assim.

A história do livro já começa em um ponto tão angustiante que é impossível parar de ler, e Juliette sabe que as intensões do Restabelecimento, que prometeu curar a humanidade abandonando toda a sua história e costumes do passado para começar do zero, não são boas. Afinal foi o Restabelecimento que baniu Juliette da sociedade e a arrastou de sua casa, a testou, maltratou, deixou passar fome, só para depois jogá-la numa cela, onde ela estava a 264 sem ver o lado de fora, sem falar, perdida em seus devaneios, esquecida.

Juliette é inexplicavelmente diferente de todas as outras pessoas, ainda enquanto bebê seus pais perceberam que não podiam tocá-la, pois o seus toque é torturante, letal. A partir daí  Juliette aprendeu a se afastar de todos, e a nunca esperar um gesto de carinho dos pais que tanto a desprezavam. Foi maltratada e julgada pelas escolas que passou e em sua própria casa, até o acontecimento de um grave acidente, onde Juliette foi vista como assassina e o Restabelecimento veio buscá-la, desde então ela nunca mais voltou a ver seus pais, ou qualquer outra pessoa que tenha conhecido, até hoje. 

  • "(…) Fui desprezada abandonada banida e arrastada de minha casa. Fui empurrada espetada testada e jogada em uma cela. Fui estudada. Fui deixada passando fome. (…) Meus pais. Meus professores. Adam. Warner. O Restabelecimento. Sou dispensável para todos eles.
    Eles pensam que sou uma boneca que eles podem vestir e retorcer em posição prostrada.
    Mas eles estão todos errados."

Comentar uma pequena introdução sobre a história de “Estilhaça-me” é difícil, pois o começo é muito profundo, Juliette está perdida em seus pensamentos, quase enlouquecendo pelo aprisionamento. Tudo muda quando seu isolamento acaba e um garoto estranhamente familiar é colocado em sua cela e tenta a todo custo conversar com ela. Juliette deveria lembrar-se de quem ele foi, o que ele significou para ela anos trás, mas nem mesmo ele parece se lembrar, e ela reprimiu por tanto tempo suas memórias que elas tornaram confusas. A partir daí qualquer comentário pode ser um spoiler, o livro nos surpreende e tira o nosso fôlego logo em suas páginas iniciais.

Como é narrado em primeira pessoa por Juliette, o começo da narrativa é confuso e alguns podem não gostar, eu pessoalmente achei fascinante, o sofrimento de Juliette é tão palpável e bem inscrito que é impossível não se comover com sua situação, ela nunca soube o que significava sentir, nunca foi tocada, afinal quem se aproximaria de uma aberração que traz a morte com um simples toque? A história é um quebra cabeça, que mistura os devaneios de Juliette, sua memória, e o que está acontecendo no presente, conforme a personagem vai se tornando emocionalmente mais forte, é que começamos a entender.

O mundo em “Estilhaça-me” está destruído pelas ações do seres humanos, o meio ambiente está acabado e um dos maiores sonhos de Juliette era ver um pássaro voar. Achei muito interessante essa nova visão distópica, Juliette acompanhou a destruição com seus olhos, viu as revoltas, o Restabelecimento tomando o poder e subjugando a todos, viu muitos morrendo de fome neste mundo onde só quem tem alguma coisa a oferecer para o Restabelecimento possui direitos a privilégios como comida, energia, água e etc.

  • "(…) Somos alimentados de mentiras porque acreditar nelas nos torna fracos, vulneráveis, maleáveis. Dependemos de outros para nossa alimentação, saúde, sustento. Isso nos enfraquece. Cria covardes de nosso povo. Escravos. É hora de revidarmos."

Juliette é uma protagonista forte e determina, e apesar de temos muitas perguntas sobre os seus dons e tudo o que ela pode fazer, temos uma visão do seu grande potencial no livro. Adam, o garoto que foi colocado em sua cela, e um dos protagonistas, também é muito cativante e forte. O romance do livro é bem estruturado, e não acontece “do nada” como muitos, os personagens e seus sentimento são convincentes.

O vilão da história é Warner, que muitas vezes “rouba a cena” com o seu comportamento abominável, ele comanda um dos setores do Restabelecimento, e é Warner que tira Juliette do seu enclausuramento, apenas para manipulá-la de acordo com sua vontade, usá-la como uma arma, mas logo ele percebe que domar Juliette não será tão fácil, pois ela é muito mais do que aparenta ser. Warner é um personagem interessante, e ficamos com sentimentos controversos em relação a ele, que só serão esclarecidos nos próximos livros da trilogia.

Um ponto interessante do livro, e um dos seus diferenciais mais importantes, são os “ricos” que aparecem nos pensamentos contrários de Juliette, ou não fala de algum personagem que ela completa com o que ela pensa que ele realmente queria dizer, por exemplo: “(…) – Outro psicótico igual a você. Acabou  isolamento – disseram para mim.”/ ”Queria que ele tivesse. Ele não deveria. Ninguém jamais deve me tocar.” / “Me toque.” / “Não sou louca.” Gostei demais e achei muito original usar esses “ricos”, pois eles tonaram a leitura mais convidativa e interessante.

  • “Olho para a porta e me pergunto o que me espera do outro lado.
    Olho para a janela e me pergunto se verei alguma vez um pássaro voar.
    Olho para o relógio na parede e me pergunto o que significa viver novamente (...)”

O livro tinha tudo para e tornar um dos meus favoritos, gostei da leitura logo de cara e estava me surpreendendo de uma maneira positiva com a história, até o final, onde alguns acontecimentos mudam totalmente o rumo da trilogia. Basicamente a história muda tanto que o começo e o fim não parecem pertencer ao mesmo livro. Não sei dizer se gostei ou não do fim, não tenho ideia de que rumo a história vai tomar agora e realmente espero não me decepcionar com essa trilogia, li alguma resenhas que disseram que o final tomou um rumo muito X-Men e talvez isso seja verdade, acredito que autora até poderia ter mantido essa ideia diferente para o final, apenas gostaria que ela o tivesse escrito de uma maneira melhor.

Enfim, indico a leitura de “Estilhaça-me”, curti muito a história e a leitura me entreteu bastante. Leiam, se surpreendam como eu, e depois venham me contar  se gostaram ou não do final.  (Lembram do kit de Estrilhaça-me da editora Novo Conceito? Amo andar com a minha bolsa do livro por ai, ainda mais agora que já li, em breve sorteio do kit! \o/ )

 

11 comentários:

  1. Parabéns pela resenha Gabi! Estou ansiosa para ler Estilhaça-me! Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Incrível como as distopias estão ganhando espaço na literatura... Sempre que eu vejo uma nova que irá lançar, lembro de ti por causa daquele post que você fez explicando o que era esse gênero (aliás, foi lá que eu aprendi xD kkkkk)

    Como já disse no twitter, estou com MUITA vontade de ler esse livro! Como eu já sabia que aconteceria, essa vontade virou necessidade depois da sua resenha u.u kkkkkkkkkkk

    Achei interessante o que você falou sobre o livro já começar com a Juliette na "pior". E eu tinha lido exatamente isso sobre ela ser uma protagonista forte e determinada num outro blog... Vai me atraindo cada vez mais! *--*

    E sobre os riscos, quase tive um ataque quando vi aqui. Minha agenda é toda escrita assim xD kkkkkkkkkkk
    Mal posso esperar para pegar um livro assim *u*

    E gostei também do que você falou sobre o amor não acontecer do nada (o que frequentemente acontece nos romances de um final de semana do meu amado Nicho(L)as, tenho que admitir :B)

    Enfim, estou curiosíssima por esse livro!!!

    Termino com isso a redação da semana xD kkkkkkkkkkkkk

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  3. Estou muito curioso para ler esse livro de que estão todos falando, a capa já tinha me chamado atenção e com as resenhas que li só aumentou a minha vontade de ler o livro. A sua resenha confirmou o que li em outros blogs e me deixou um pouco mais receoso do que estava quanto a esse final, estou com medo dele!

    ResponderExcluir
  4. O livro ser uma distopia já me chama para lê-lo. E essa capa? Achei lindaaaa!!! O enredo parece ser bem diferente. Nunca li nada parecido.

    ResponderExcluir
  5. Acabei de ler uma resenha que fala que o final fica muito X-Men mesmo, rs. Já li várias resnhas do livro, e a maioria positiva, algumas apenas não gostaram do final, e também desse lance das frases ricadas. Bom saber que essas frases sejam interessantes para a história. E saber que a protagonista é forte. Ansioso pra ler! E é uma distópia, melhor ainda!

    ResponderExcluir
  6. Desde que saiu esse livro eu estou com vontade de ler! A capa foi a primeira coisa que me chamou a atenção, que é muito linda, e todos falam sobre a diagramação do livro que também parece ser super legal. Eu gostei de como essa distopia é bem diferente das outras, focando inteiramente na protagonista.

    ResponderExcluir
  7. Não foi o melhor do ano mas.. gostei do Warner, preciso da continuação e quero mais cenas entre os dois buáá =( Mas o livro é muito bom sim, a narrativa é tão diferente que levei tempo pra me acostumar, mas consegui e gostei.

    ResponderExcluir
  8. Já disse que amo distopias, né? =)

    Amo capas também e essa é muito linda!!! Não li o livro e não tenho a menor ideia de como ele termina, rs, mas me parece que a Juliette da capa é a do futuro, né? Porque ela está super segura de si, e me parece que no início ela é uma garota totalmente desorientada...

    Eu adorei a ideia desses riscos, teve gente que odiou, e parece que a autora usa umas repetições também, acho que vou gostar disso, devem ajudar bastante a entender que a pobre da Juliette está mesmo confusa... Não consigo imaginar a dor que ela sente depois de uma vida sem sentimento!!

    Quero muito ler!!

    ResponderExcluir
  9. Só uma coisa pra acrescentar ao meu comentário anterior: Eu ainda pego livro pra reler as cenas Warner/Juliette! kkkk
    Acompanho a autora no twitter e no facebook e ela é tão empolgada! Nesses dias ela confessou que o Warner não saía da cabeça dela! hahaha Isso quer dizer que a continuação vai ser boa =D
    Aiai não consegui um marcador desse livro ainda hunf =/
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Esse livro chamou a minha atenção desde a primeira vez em que li sua sinopse, tanto pela capa, quanto pelo "dom" que Juliette possui. Ainda não li esse livro, mas venho lendo diversas resenhas sobre ele, e confesso que fico um pouco em dúvida, pois existem pessoas que o criticaram muito, outras que amaram. Mas enfim, prefiro tirar as minhas próprias conclusões, espero poder lê-lo logo. Estou muito curiosa para saber mais sobre essa história.
    Adorei a sua resenha!
    Um grande beijo!

    ResponderExcluir
  11. Eu ganhei esse livro em uma promoção li e gostei, esperando ler o próximo!! :)

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo