#Resenha Quem é você, Alasca?

 

  • Título: Quem é você, Alasca?
  • Autor: John Green
  • Editora: WMF Martins Fontes
  • Páginas: 229
  • Conceito: 1234 (?)

Miles Halter é um adolescente fissurado por célebres últimas palavras — e está cansado de sua vidinha segura e sem graça em casa. Vai para uma nova escola à procura daquilo que o poeta François Rabelais, quando estava à beira da morte, chamou de o “Grande Talvez”. Muita coisa o aguarda em Culver Creek, inclusive Alasca Young. Inteligente, engraçada, problemática e extremamente sensual, Alasca levará Miles para o seu labirinto e o catapultará em direção ao Grande Talvez. Quem é você, Alasca? narra de forma brilhante o impacto indelével que uma vida pode ter sobre outra. Este livro incrível marca a chegada de John Green como uma voz importante na ficção contemporânea.

Essa resenha vai ser diferente, porque “Quem é você, Alasca?” é o livro diferente do que eu estou acostumada a escrever sobre no blog. Não vou nem tentar contar a história, acredito que a sinopse já basta, quero apenas conseguir expressar as emoções, e as conclusões que tirei dessa leitura, que foram muito pois John Green é um autor que nos leva a reflexão sobre vários aspectos de nossas vidas.

  • "(…) Não posso ser uma dessas pessoas que ficam sentadas falando que pretendem fazer isso e aquilo. Eu vou fazer e pronto. Imaginar o futuro é uma espécie de nostalgia.”

“Uma história, qualquer que seja ela, nos agrada ou não de acordo com nossas experiências de vida, visão de mundo e valores intrínsecos. Assim, é muito importante que isso seja levado em consideração ao se analisar um livro(…)” Assim que a Lívia do blog Leiturinhas iniciou sua resenha do livro “Quem é você, Alasca?” e se tratando dessa leitura essa observação é muito importante, pois John Green escreveu um livro que pode ser amado por muitos, odiado por outros, e também há aqueles que não vão chegar a entender.

Eu estou na linha que divide esse amor e ódio, terminei a leitura com uma sensação de que precisa reler pois não desfrutei de tudo que a história tinha a oferecer. Na verdade a história em si é simples, e não tem nada de muito surpreendente, o grande diferencial é as reflexões que a historia nos leva a fazer. Eu li o livro em apenas um dia, e agora vejo que não foi bom ter feito isso, o livro é dividido em duas partes, e pelo menos a última eu devia ter saboreado mais.

Realmente me emocionei com o livro, e não vou nem comentar o quanto eu chorei (risos), mas foi só isso, no geral esse livro na foi marcante para mim e no outro dia eu nem pensava mais na história. A história não combinou muito comigo, na minha opinião a narração sobre as atitudes de alguns adolescentes, principalmente dos meninos foge muito da realidade. E Alasca, como o protagonista Miles Halter nunca vou saber quem realmente foi ela, e também não me interesso muito, no livro ela foi apenas uma pessoa marcou a vida de Miles, foco de seus melhores e piores momentos.

Um ponto em destaque que eu gostei muito foram as varias citações dos mais diversos livros, e os próprios diálogos dos personagens são muito inteligentes. Uma coisa que ficou sempre que penso nesse livro é que o autor escreveu um paródia dele mesmo em Miles, não apenas pelo fato do autor também gostar de últimas palavras, mas também em vários momentos percebi que ele colocava suas opiniões pessoais no livro, e talvez  John Green tenha vivido um pouco, ou muito, do que o Miles viveu na história.

Sobre uma das grandes reflexões do livro, “O grande talvez”, acredito que é por isso que a história não combinou comigo, por que eu não sou o tipo de pessoa que vive em busca de um grande talvez. Por outro lado achei a reflexão de Alasca em “Como sair desse labirinto?” que é as nossas vidas, muito interessante, e me peguei pensando em como sair desse labirinto várias vezes 

Apreciei a inteligência do  autor em “Quem é você, Alasca?”, mas o livro não foi nada marcante para mim, e não conseguiu atingir minhas expectativas. Mas quero deixar bem claro que essa é a minha opinião pessoal. “O primeiro amigo, a primeira garota, as últimas palavras." é um grande resumo do livro, e quem sabe um dia eu não releia para ter uma opinião mais concisa sobre ele. Indico a leitura, talvez você ame essa história, talvez não.

15 comentários:

  1. Gostei da capa e do nome da garota, Alasca. Acho que eu gostaria de um livro assim, sobre a vida de alguém influenciando a vida de outra pessoa.

    ResponderExcluir
  2. A estória não deixa de ser interresante, mas eu também não estou buscando um grande talvez.

    ResponderExcluir
  3. A capa é bonita eu gostei. Tenho lido bastante resenhas positivas deste livro e confesso que estou bem curiosa para ler *-* vou ver se consigo ele para ler na net porque grana pra compar eu não tenho kkkkkk Gabi seu blog é show de bola, parabéns, eu to adorando! Beijos

    ResponderExcluir
  4. Adorei a historia..a capa é linda^^

    ResponderExcluir
  5. Fiquei muito mais curiosa do que interessada no livro. Quero saber se eu gostaria ou não deste livro,e se a história me marcaria ou não.
    Na sinopse me chamou bastante atenção a ideia das vidas que impactam umas nas outras e achei isso legal, porque é uma maneira de ver os relacionamentos, e nós estamos o tempo todo nos relacionando, impactando e sendo impactados.
    Gostei da 'filosofia' que parece estar por trás da história.
    Agora vou precisar ler, estou morrendo de curiosidade sobre este livro.

    ResponderExcluir
  6. Eu tinha bastante interesse em lê-lo mas não estou mais. Com a diminuição do meu horário disponível pra leitura, vou tentar ler somente os que realmente estou curiosa :)

    Beijinhos,
    Thais Priscilla
    http://thaypriscilla.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Gabi!
    Sou bem interessada em ler Quem é você Alasca? exatamente para ter minha própria conclusão em relação ao livro. Como você mesma disse, esse livro trás muitas opiniões divergentes e acho que deve ser bom lê-lo para ver o trabalho do autor. Quando tiver oportunidade, vou ler com certeza!

    Beijinho
    Aline
    Memoirs and Books

    ResponderExcluir
  8. Oi Gabi!
    Acho que esse livro também não combinaria comigo, não fico pensando muito nos "talvez" da vida...
    Não me interessei pelo livro :(

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  9. Gostei da sinceridade ^^
    Olha, acho que sou uma das pessoas que vivem em busca do grande talvez. Então esse livro deve me agradar. Pena que nas livrarias daqui eu nunca vi pra vender =/
    já tinha me interessado por ele antes, quando você postou alguma sobre ele no blog (acho que foi aqui mesmo que eu vi).

    ResponderExcluir
  10. Compartilho da exata opinião. Achei um livro bacana mas muito superestimado! Nem lembrava dele no dia seguinte também. E olha que eu achava que ia ser o livro da minha vida haha

    ResponderExcluir
  11. Gostei da capa
    Mas acho que é um livro que eu não vou ler
    Não me chamou atenção

    ResponderExcluir
  12. Adorei a capa, e adorei também sua resenha!!! Deve ser lindo esse livro, estou ansiosa pra lê-lo!!!

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito da capa, mas paroui aí :B
    Não me interessei pela sinopse...

    Como você disse, acho que não é o tipo de livro pra mim.

    E é meio estranha essa relação que nós temos com alguns livros... Em um dia, lemos e nos emocionamos; no outro, nem falamos mais dele :B

    :*

    ResponderExcluir
  14. Gabi
    gostei da sua resenha,principalmente pq nos traz uma nova perspectiva do livro.Geralmente só encontramos resenhas positivérrimas,é bom ter um outro lado.

    Pretendo ler e conhecer o fenômeno (ou não)que é o John Green,mas não no momento.Num futuro...beeem futuro msm.

    Bj Nati

    ResponderExcluir
  15. Gostei da sua resenha, gostei da capa do livro, gostei da sinopse e o livro parece ser bem interessante. Gosto de livros que precisam ser decifrados, talvez. Espero comprar ele um dia '-'

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo