|INDICAÇÃO DE LIVRO| “Os Homens Que Não Amavam As Mulheres”

STIEG LARSSON. Os Homens Que Não Amavam As Mulheres. São Paulo: Companhia das letras, 2010. 522p. Título original: "The Girl With The Dragon Tattoo".

  • “(…) Mikael a observou. Ela media pouco mais de um metro e meio e parecia não ter como se defender se ele fosse um malfeitor que tivesse entrado em seu apartamento.
  • Mas os olhos dela eram inexpressivos e calmos.”

Indicações de Livros é a coluna onde temos uma resenha mais curta e menos detalhada, onde foco está nos aspectos psicológicos e emocionais do livro, e não na história em si. E se tratando de uma frase para explicar a coluna onde as palavras “psicológico” e “emocional” são usadas, o primeiro livro que me vem a cabeça é “Os Homens Que Não Amavam As Mulheres”, logo vocês já irão entender o porquê.

“Os Homens Que Não Amavam As Mulheres” é um dos melhores livros que já li na vida, sem dúvida nenhuma, há anos recebia várias indicações dessa série e até então só li críticas super positivas. Minhas expectativas para leitura estavam altíssimas e eu não sabia o que esperar do livro, e durante toda a leitura a história me surpreendeu mais vezes do que posso me lembrar, as reviravoltas no enredo são enormes e li tudo com a certeza de que não iria me decepcionar, e eu estava certa.

Como já comentei li várias críticas do livro, todas muito positivas mas algumas falavam que a leitura do livro era muito lenta até mais ou menos a página 150. Não concordo, tudo bem que pode ser difícil para uma pessoa que não tem prática de ler, mas o início do livro é o normal de uma série, não é lento, apenas narra o contexto da vida dos personagens e alguns acontecimentos passados para podermos nos situar na história. Bem no início apenas uma cena me incomodou, quando o protagonista Mikael Blomkvist encontra um antigo amigo e eles começam a conversar sobre corrupção e economia, essa conversa é importante para a história, mas para quem é leigo em economia realmente fica difícil de entender.

Todo o contexto da história de Stieg Larsson é muito grande, são várias tramas se intercalando, muitos personagens e uma tensão crescente. Esse é o tipo de livros que você lê pensando em como o autor que escreveu tudo isso é inteligente, todos os diálogos, os esquemas de corrupção, e os mistérios da história são muito bem construídos, com certeza Stieg Larsson entrou para minha lista de autores preferidos por sua inteligência e história incríveis.

  • “(…) Fazia tempo que chegara à conclusão de que na verdade gostava de fuçar a vida dos outros e revelar segredos que as pessoas tentavam esconder. Agia assim - de uma forma ou de outra - desde que se conhecia como gente. E era o que continuava fazendo não só quando Armanskij lhe passava missões, mas às vezes apenas por prazer. Aquilo lhe dava uma espécie de satisfação - exatamente como num videogame complicado, com a diferença de que se tratava de pessoas reais.”

O autor também criou os melhores e mais bem construídos personagens que já li, Mikael Blomkvist e Lisbeth Salander formam a dupla perfeita, não tem como ler o livro sem identificar ou querer estar no lugar deles, agir como eles. Lisbeth é uma personagem intensa, do tipo de pessoa que se você só olhar a “embalagem” não vai descobrir nada sobre ela, gostei muito das atitudes de Lisbeth no livro, ela soube como agir quando ninguém mais sabia e admiro muito nisso em um personagem/pessoa.

A história desse primeiro livro da série é um tanto “pesada” e precisamos parar a leitura em alguns momentos para raciocinar sobre tudo que lemos. Em algum momento me peguei pensando em Sidney Sheldon, não que a história de Stieg Larsson lembre alguma do Sidney Sheldon, mas pela qualidade dos dois escritores, como eles conseguem criar situações perturbadoras e mesmo assim nos prender na leitura com seus personagens inesquecíveis, outras semelhanças são que os dois autores tratam de muitos assuntos polêmicos em seus livros e exploram o psicológico de seus personagens. 

Pretendo ler toda a trilogia Millennium o mais rápido possível, e “Os Homens Que Não Amavam As Mulheres” com certeza estará entre minhas melhores leituras leituras de 2012, só tenho elogios para Stieg Larsson e seus personagens. Outro detalhe interessante é que o autor não resolve o mistério e acaba o livro, como muitos fazem, ele narra todas as consequências das ações dos personagens, e isso me agradou muito. O livro é grande, mas a vontade de saber a resolução de tudo é bem maior e lemos rapidamente. Mais que recomendado, leitura obrigatória.

   

  

16 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. A resenha é muito boa. Mas olhem esse título original, não leio apenas por pirraça;

    ResponderExcluir
  3. Na verdade Sara, o título brasileiro combina bem mais com a história do que o original ;)
    Fica a dica !

    ResponderExcluir
  4. Sei lá, eu tenho muita preguiça dessas coisas que eles mudam demais, e mudar um título pra mim, já é demais.
    Mas ele parece ser bom :/

    ResponderExcluir
  5. Eu já tentei ler essa trilogia, mas não consegui sair do primeiro :/ Eu achei chato e não consegui ir para frente. E no momento não estou muito afim de dá uma chance para a série.
    Beijos,K.
    Girl Spoiled

    ResponderExcluir
  6. Resenha ótima, mas não fiquei com vontade de ler n haha n fez meu tipo! E o povo n fala muito bem deste livro.

    ResponderExcluir
  7. Nao gostei dele....comecei a ler mais parei no comecinho...
    a leitura nao me encantou.

    ResponderExcluir
  8. Oi Gabii!
    Estou muito, muito curiosa para ler a Trilogia Millenium. Não só por conta do lançamento do filme do primeiro volume, mas pelos elogios. O pessoal do clube do livro aqui fala muito bem deles, e todo mundo indica. E como uma boa leitora curiosa que sou, é claro que ele já esta na minha lista de desejos. Pena que os livros sejam tão caros... tipo a versão econômica custar 32 reais... kkkkk

    Beiijos
    Aline
    Memoirs and Books

    ResponderExcluir
  9. Preciso lê-lo
    antes e assitir ao filmeee
    Mutio boa a resenha

    ResponderExcluir
  10. Muito boa a resenha, fikei com vontade de ler o livro!

    ResponderExcluir
  11. Tenho sentido minha vontade de ler Millennium crescendo atualmente, e eu confesso que o lançamento do filme faz grande parte disso, mas não só. É como se através do filme eu tivesse descoberto do que se trata os livros, e eu adoro um bom policial.
    Não sei quando poderei ler os livros, considerando que nem os tenho, mas pode deixar que já os marquei como leitura obrigatória aqui.
    Ficou muito legal o seu comentário de leitura.

    ResponderExcluir
  12. Esse livro é muito bom! Já estou lendo A menina que brincava com fogo, e que que trilogia é essa, hein? Adoro! Muito boa sua indicação!!

    ResponderExcluir
  13. Ótima dica, li esse livro já a algum tempo, e achei muito bom, acho que Stieg escreveu uma ótima obra. Quero ler toda a trilogia.

    http://sempre-lendo.blogspot.com/

    Abraços
    Juan

    ResponderExcluir
  14. Como comentei em alguns posts, diferente de ti, a minha leitura desse livro foi lenta... Levei um mês, mais ou menos, enquanto costumo ler, no mínimo, uns 5 livros por mês (Até agora, nesse ano, já estou no 17º \o/)

    Mas fora isso, achei um livro fenomenal. As pontas que ele liga, o final que eu não esperava...

    E eu gostei muito do título em português, principalmente quando a L fala que são justamente homens que não amam as mulheres, no finalzinho do livro.
    Achei bem colocado :)

    :*

    ResponderExcluir
  15. Stieg, juntamente com Sidney Sheldon, tem pra mim, os personagens mais realísticos possíveis.

    Apesar da genialidade de Lisbeth, notamos que ela é uma pessoa real..tal como Mikael...só tem algo para definir a trilogia: genial!

    E pra mim, o nome em português é um BAITA de um spoiler...lá pro meio da leitura vc tem a sacada! :P

    Beijos
    Lygia
    Brincando com Livros

    ResponderExcluir
  16. Ah vale uma correção:
    O título original NÃO é "The Girl With The Dragon Tattoo" e sim "Män som hatar kvinnor". E na verdade, o título em inglês é que não ficou correto, pois a tradução do sueco é literalmente "Os Homens que Odeiam as Mulheres" e a versão brasileira foi traduzida da francesa "Les hommes qui n'aimaient pas les femmes" que dá a tradução que temos por aqui: "Os homens que não amavam as mulheres"

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo