|CRÍTICA DE DOMINGO| “Penelope”

Escrito por KARINY KELLY ou Kaah (@Kaahoiq_)  que aos domingos traz novidades, adaptações, top listas ou mesmo críticas de filmes para entreter os leitores do Mundo Platônico.

  • TÍTULO ORIGINAL: Penelope
  • ELENCO: Christina Ricci, James McAvoy, Reese Witherspoon
  • GÊNERO: Fantasia/Comédia/Romance
  • DURAÇÃO: 104 minutos
  • ANO: 2008
  • AVALIAÇÃO: 8,0

[SINOPSE DO FILME] Penelope sofre de uma antiga maldição. Sua mãe crê que se puder casá-la com um homem de sangue azul a maldição será quebrada e ela será normal. O problema é quando os pretendentes olham para Penelope, eles fogem aterrorizados... Até que surge o jovem Max, contratado para tirar uma foto sua.

“Penelope” é um conto de fadas moderno, porém, diferente do que estamos acostumados, pois se trata de uma estória nova e desconhecida (pelo menos para mim). O filme cativa o espectador por seus protagonistas carismáticos, simpáticos e simplesmente adoráveis interpretados por Chistina Ricci e James McAvoy, a longa prende a atenção do começo ao fim.

Na longa, conhecemos a estória de Penelope e a maldição que cerca sua família, e atinge principalmente ela. Muito tempo antes de Penelope nascer, seu tetra-tetra-tetra avô teve um romance com a empregada da família, que acabou grávida, mas ele não pode se casar com ela, porque ela pertencia a uma classe social inferior. A moça se suicidou e sua mãe, uma bruxa, amaldiçoou a família Wilhern. A maldição dizia que: depois daquele dia, a primeira mulher que nascesse da família Wilhern, nasceria com focinho de porco. Mas depois disso, todos os descendentes da família foram homens, e a maldição até foi deixada de lado até que o casal Jessica e Franklin tiveram uma filha.

A maldição só poderia ser quebrada de uma maneira: A descendente da família Wilhern deveria ser aceita e amada por um dos seus. Logo, sua mãe pensou em casá-la com alguém de sangue-azul, e estava certa que havia interpretado da maneira certa. Mas não é tão fácil quanto parece, pois quando os pretendentes veem o rosto de Penelope, tendem a sair correndo. Um dos pretendentes que “saiu correndo” resolveu procurar a imprensa para dizer que havia um monstro terrível com cara de porco que era uma ameaça para a sociedade. Logo, um repórter se prontifica a tentar conseguir uma foto da tal “aberração” e acaba com o que restava da paz da família Wilhern.

No meio de tudo isso surge Max. Que não correu quando viu Penelope, não necessariamente, mas que não aceita casar com ela, porque ele não pode. Penelope se vê como uma aberração, tudo o que ela quer é quebrar a maldição, para isso ela precisa encontrar alguém, que aceite-a como ela é e a ame. Tudo isso tendo como cenário a cidade de Londres. Uma estória com pitadas de humor, romance, e sob tudo, uma estória sobre aceitação.

É uma comédia romântica bem produzida, com um ótimo elenco, e com uma estória melhor ainda. É o típico filme que mesmo sem querer você vai tirando fortes lições com o enredo, principalmente, quando a verdade final vem á tona. Ou seja, você encontra a “moral da história” e se procurar mais um pouco até algumas críticas a sociedade atual. Logo no começo da trama, encontramos um romance que não vingou apenas por diferença de classes sociais, isso desencadeou uma maldição que só afetou a família muito na frente, afetou pessoas que originalmente, não tinham nada a ver com o que aconteceu no inicio.

E a longa em si, fala muito sobre aceitação, a questão de “aceitar o outro como ele é”, e isso vale também para “aceitar a si mesmo”, e também tem a parte de ‘a beleza interior vale mais que a exterior”. São pequenas coisas, coisas que pensamos que entendemos, e que praticamos, mas nunca é bem assim. Um filme divertido, que te faz dar algumas risadas e ao mesmo tempo te faz questionar alguns valores. Um trabalho diferencial, com personagens cativantes. Vale à pena assistir.

O filme foi baseado no livro de Marilyn Kaye.

penelope

Em um conto de fadas moderno, nós conhecemos Penelope, uma jovem de 25 anos que passou a vida inteira presa em sua própria casa, vítima de uma antiga maldição. Para se livrar do focinho de porco que cresce no lugar do seu nariz, ela precisa encontrar alguém que a ame mesmo com esse "pequeno"  problema.

 

18 anos. Fã de literatura Diatópica e Fantástica. Autores favoritos são o Rick Riordan e o Scott Westerfeld. Não consigo passar um dia sem ler.Tenho preferência por rock alternativo. Sou estudante de TI. Sou Narniana. Odeio Rotinas. Mas as sigo fielmente.Twitter/Skoob/ Blog

8 comentários:

  1. Adorei a Sinopse do filme....ja quero muito assistir^^

    ResponderExcluir
  2. Adoro esse filme! É tão fofinho! Acho uma graça o Max/Jonnhy não querer casar com a Penelope por não poder quebrar a maldição <3
    O livro também é uma delícia! ;D

    ResponderExcluir
  3. Nossa deve ser uma situação dificil para a Penelope
    Ver todos fugindo dela por causa do seu nariz de porco
    Vou procurar esse filme

    ResponderExcluir
  4. Oi Gabi!
    Nossa, como eu nunca tinha ouvido falar nesse filme?!
    Adoro filmes de fantasia, e esse parece ser muito legal!
    E tem o James McAvoy <3

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  5. pra mim pareceu uma estória boba. nem pretendo ver.

    ResponderExcluir
  6. Nunca tinha ouvido falar deste filme e se ouvi não me lembro, mas já comecei a gostar dele por você tê-lo descrito como um conto de fadas moderno. e eu não dispenso um conto de fadas!Porém o melhor de tudo foi descobrir que tem um livro por trás. vou buscar mais informações sobre ele!

    ResponderExcluir
  7. Adoreeeeeeeeei *--*
    Gosto muito desse tipo de filme. Certamente vou locar assim que der, e procurarei mais sobre o livro *u*

    :*

    ResponderExcluir
  8. Awwwwn *-* que liiiinds eu quero ver esse filme ! adoooreei a sinopse *-*

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo