#Resenha A linguagem das flores

 

Victoria Jones sempre foi uma menina arredia,  temperamental e carrancuda. Por causa de sua personalidade difícil, passou a vida sendo jogada de um abrigo para outro, de uma família para outra, até ser considerada inapta para adoção. Ainda criança, se apaixonou pelas flores e por suas mensagens secretas. Quem lhe ensinou tudo sobre o assunto foi Elizabeth, uma de suas mães adotivas, a única que a menina amou e com quem quis ficar... até pôr tudo a perder. Agora, aos 18 anos e emancipada, ela não tem para onde ir nem com quem contar. Sozinha, passa as noites numa praça pública, onde cultiva um pequeno jardim particular. Quando uma florista local lhe dá um emprego e descobre seu talento, a vida de Victoria parece prestes a entrar nos eixos. Mas então ela conhece um misterioso vendedor do mercado de flores e esse encontro a obriga a enfrentar os fantasmas que a assombram. Em seu livro de estreia, Vanessa Diffenbaugh cria uma heroína intensa e inesquecível. Misturando passado e presente num intricado quebra-cabeça, A linguagem das flores é essencialmente uma história de amor – entre mãe e filha, entre homem e mulher e, sobretudo, de amor-próprio.

Certa vez eu li que há dois tipos de livros bons, aqueles que são simplesmente bons, proporcionam uma leitura agradável, possuem uma boa história, mas não acrescentam em nada nas nossas vidas. Mas também há aqueles que são mais do que bons, são os livros inesquecíveis, que mexem com as nossas emoções, e realmente acrescentam algo a mais para nós, seja num conselho, uma lição de vida ou mesmo personagens que nos inspirem. E não há melhor definição para “A linguagem das flores” do que inesquecível.

“Uma rosa é uma rosa é uma rosa. Exceto quando ela é amarela. Ou vermelha, ou cor-de-rosa, ou quando está fechada ou morrendo”.

Acredito que esse tenha sido melhor primeiro parágrafo de todas as resenhas do blog, e esse livro merece pois sei que não vou conseguir expressar tudo de bom que há nele, então posso pelo menos tentar convence-los pelas palavras desse primeiro parágrafo. “A linguagem das flores” é um livro de uma sensibilidade incrível, não possui um grande enredo ou situações super emocionantes, mas se trata de uma historia realmente real, um tanto dolorosa mas, real, coisa difícil de se ler por ai.

Victoria Jones, “a órfã”, é a personagem mais introvertida que já li, ela não sabe lidar com as pessoas e nem se expressar  com palavras, e ela realmente tem motivos para isso, abandonada pela mãe, sempre passando por vários lares adotivos e  abrigos, seu é passado cruel. Mas não pensem que vocês lerão sobre a triste história de Victoria, pois o livro não é focado nisso, e sim nas flores, o único meio de comunicação eficiente que Victoria possui, e apesar de a maioria das pessoas não entenderem, ela entende, e isso basta.

"- Você acha realmente que é o único ser humano que tem defeitos imperdoáveis? Que foi magoado a ponto de entrar em colapso?"

Os capítulos do livro se intercalam em duas linhas cronologias, a primeira com a  Victoria de 18 anos, emancipada, vivendo nas ruas e logo depois conseguindo emprego na floricultura local. Nos outros capítulos acompanhamos Victoria bem mais jovem, com seus nove anos, a caminho do seu  último lar adotivo, antes que seja enviada para abrigo até completar os seus 18 anos. O presente e o passado vão se misturando até formarem o quebra-cabeça dos fantasmas de Vitoria.

Com péssimas experiências em lares adotivos, temperamental e de difícil relação, Victoria não acreditava que viver com Elizabeth, sua última oportunidade antes de ir para  abrigos, seria diferente. Só que Elizabeth realmente quer formar uma família com Vitoria, e está determinada a amar e nunca abandoná-la ou maltratá-la como os outros fizeram. E com suas uvas e sua linguagem das flores, Elizabeth vai conquistando Victoria aos poucos, mas será que Victoria vai conseguir lidar com esse amor que nunca antes tiveram por ela?

"- Acredito que você também pode provar que todos estão errados, Victoria. Seu comportamento é uma escolha, não quem você é de verdade.
Se Elizabeth acreditava mesmo nisso, pensei, a única coisa que ela poderia esperar do futuro era frustração."

Achei a linguagem das flores uma coisa muito especial, foi emocionante descobrir o significado das flores e como elas podem influenciar nossas vida. Esse livro e a própria história de Victoria serão inesquecíveis para mim, porque achei tudo tão lindo e triste ao mesmo tempo, a vida depois de sua emancipação e os fatos que separam Elizabeth e Victoria são tão difíceis! Mas como está escrito na capa, e essa é a verdade absoluta do livro, “Qualquer pessoa pode se transformar em algo belo”.

O romance no livro é sutil, mas é importante para o crescimento emocional de Victoria. Grant,  o misterioso vendedor do mercado de flores, também compartilha do amor pelas flores e isso já bastaria, ele é um fofo e perfeito para juntar os pedaços do coração de Victoria. Todos podem se perdoar e começar uma nova vida, amar e deixar-se ser amado,  e isso é o que Victoria terá que aprender.

Uma história sobre flores, recomeços, e os caminhos estranhos que a vida nos leva. Ainda possuem alguma dúvida que esse livro é indicado? Está mais que indicado!! Não deixem de ler e compartilhem essa ótima experiência de leitura comigo. Já comentei que amo essa capa?! E o marcador do livro também é uma graça *-*

"...O musgo crescessem raízes. Suas palavras sem deixaram sem fôlego. durante uma vida inteira estudando a biologia das plantas, eu nunca havia pensado nisso. Agora parecia o único fato que eu precisava, desesperadamente, ter compreendido..."

   

  • “Elas expressam a linguagem do amor.
  • Para descobrir as melhores frases,
  • Nenhuma floração é mais adequada.
  • Quando cultivadas em caramanchões,
  • As donzelas ficam imaginando
  • Se mais doces são as flores ou as intenções.”
  • Elizabeth Barret Browing (1806-1861)

12 comentários:

  1. Nunca ouvi falar do livro,mas gostei da reszenha!

    Dá uma passadinha no blog, tem várias resenhas novas.

    Beijão,Sofia
    Livros e Feitiõs
    vida-de-garota-brasil.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pela resenha Gabriela! Estou ansiosa para ler A Linguagem das Flores! Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Obrigada, que bom que vocês gostaram da resenha! Não deixem de ler "A linguagem das flores", esse livro realmente me tocou! :)


    Beijos,

    Gabi
    Mundo Platônico
    http://gabiiem.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Nossa Gabi, eu estava interessada em ler A linguagem das flores, mas confesso que não estava no topo dos meus desejos. Mas, com sua resenha, eu fiquei mais do que interessada. Como você, eu adoro livros que acrescentem na vida, além de uma ótima leitura. Acho que os livros não só podem nos trazer diversão, pode ser além disso!

    Adorei!

    Beijos
    Aline
    Memoirs and Books

    ResponderExcluir
  6. Fiquei encantada com os seus elogios ao livro, porque este livro nunca me chamou atenção a ponto de querer lê-lo. Acredito que seja pela capa, diferentemente de você eu não a acho bonita...
    Acho interessante a ideia de intercalar o passado e o presente no livro, acho que torna a leitura mais instigante a medida que te deixa cada vez mais curioso, e isso pode ter sido uma ótima tática considerando o que você disse, sobre o livro não se tratar de "um grande enredo ou situação super emocionante".
    Posso afirmar que se a sua resenha tinha a pretensão de convencer alguém a dar uma chance a este livro então você conseguiu.
    Achei a história toda bastante interessante e por motivos pessoais achei bem legal essa retratação real do abandono, da adoção e da dúvida sobre ser alguém que mereça e será amado ou não.

    ResponderExcluir
  7. EU ADOREI esse livro e a sua resenha, parabéns!!!

    Estava sumida mas já retornei, agora com força total!

    Vou tentar aparecer mais vezes!!

    Beijos

    Gabi - Romances e Leituras

    ResponderExcluir
  8. Conheci seu blog agora e digo que gostei muito suas resenhas são boas e indicativas adorei.
    Bjus
    Claudia
    brihodasestrelas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Oi Gabi!!
    Uau, o livro parece ser bom mesmo!
    Achei a capa brasileira mais bonita que as outras, é mais colorida!
    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  10. Mais um livro que eu nunca tinha ouvido falar!!!!
    Muito tocante a resenha Gabriela.

    ResponderExcluir
  11. Adoro livros que acrescentam coisas boas as nossas vidas
    Que nos ensinam algo
    Vou acrescentar a minha lista de desejados
    A resenha tá maravilhosasss

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo