#Resenha “A Esperança” - The Hunger Games #3

 

Depois de sobreviver duas vezes à crueldade de uma arena projetada para destruí-la, Katniss acreditava que não precisaria mais de lutar. Mas as regras do jogo mudaram: com a chegada dos rebeldes do lendário Distrito 13, enfim é possível organizar uma resistência. Começou a revolução. A coragem de Katniss nos jogos fez nascer a esperança em um país disposto a fazer de tudo para se livrar da opressão. E agora, contra a própria vontade, ela precisa assumir seu lugar como símbolo da causa rebelde. Ela precisa virar o Tordo. O sucesso da revolução dependerá de Katniss aceitar ou não essa responsabilidade. Será que vale a pena colocar sua família em risco novamente? Será que as vidas de Peeta e Gale serão os tributos exigidos nessa nova guerra? Acompanhe Katniss até o fim do “thriller”, numa jornada ao lado mais obscuro da alma humana, em uma luta contra a opressão e a favor da esperança.

“A esperança” é chocante demais, e falar sobre esse livro é uma das coisas mais difíceis que eu já fiz, porque nem eu posso entender o que realmente senti com essa leitura. Contrariando o que acontece com a maioria das pessoas, essa série sempre me deixou em um constante estado de tensão que não me deixava chorar, e sim só ler mais e mais. Mas confesso que quando acabei de ler, e tive que enfrentar o conhecimento do destino de todos os personagens, chorei, chorei por não poder fazer nada para mudar.

  • “Silêncio nas árvores. Apenas  farfalhar de folhas na brisa.
  • Mais nenhum pássaro, tordo ou outro qualquer. Peeta esta certo.
  • Eles ficam em silêncio quando eu canto. Exatamente como faziam com meu pai.”

Depois do perturbador final do livro”Em chamas” onde descobrimos que o distrito 12 não existe mais, a série toma um rumo totalmente diferente, agora Katniss sabe que está acontecendo, sabe que ela foi usada não apenas pela Capital, mas também pelos até então desconhecidos rebeldes do distrito 13. Após anos vivendo no subterrâneo os líderes do distrito 13 acreditam que tudo se justifica com a guerra, e que uma morte só pode ser paga com outra.

A vida de Katniss não mudou muito, enquanto na Capital ela era usada para participar de um jogo cruel que oprimia as pessoas, no distrito 13 ela também é usada, mas agora sobre a justificativa que ela é o Tordo, e que se ela lutar pela rebelião vai ser a inspiração que os outros distritos precisam para lutar também, mas como ela pode ser o símbolo de uma rebelião que pode levar toda Panem a extinção?

E ainda tem o Peeta, se tem uma coisa que Suzanne Collins realmente reforçou nesse livro é que ela não tem dó dos próprios personagens. Peeta está nas mãos da Capital, e quanto mais Katniss entra na rebelião, mais ele sofre. Os acontecimentos que envolvem Peeta nesse livro são angustiantes, ele era um personagem que possui um brilho próprio, sabia o que dizer na hora certa e sempre estava lá para livrar Katniss de seus fantasmas, em “A esperança” também perdemos isso.

  • “(…) - Você ainda está tentando me proteger. Verdadeiro ou falso? – sussurra ele.
  • - Verdadeiro – respondo. A resposta parece requerer mais explicações.
  • – Porque isso é o que você e eu fazemos. Protegemos um ao outro.”

E é na hora da guerra que nós realmente conhecemos as pessoas, já estamos acostumados com a inabalável coragem de Katniss, mas alguns personagens realmente nos surpreendem, para bem ou para o mal. Gale é um desses personagens, já conhecíamos o seu ódio pela Capital, mas nesse livro ele nos surpreende ao pensar como os líderes do distrito 13, os fins justificam os meios, e durante a leitura nos temos que refletir se realmente tudo vale a pena.

Se você achou os primeiros livros chocantes e tensos, se prepare, porque tudo se intensifica mil vezes em “A esperança”, e na verdade a esperança de todas as coisas é o que menos vemos nesse livro, como pode haver esperança em um mundo onde todos que amamos acabando morrendo, ou pior…                            Todos os acontecimentos são extremamente chocantes, mas ainda assim não conseguimos discordar de nenhum, lógica é uma das coisas que nunca faltou na narrativa de Collins, e apesar de odiar nos entendemos.

Se eu gostei do livro? O final realmente me surpreendeu, mas não posso dizer que realmente gostei, porque muita coisa ruim acontece e seria um pouco desumano da minha parte falar que eu gostei de tudo que li. Esse último livro faz jus a série? Faz, os primeiros livros nos prepararam, mesmo que pouco, para o que está por vim, e “A esperança” só reforça o que toda a série quis mostrar, o lado sombrio do ser humano e sua imensa capacidade para manipular, uma crítica profunda a sociedade, de uma forma ou de outra sempre fazemos parte dos jogos dos poderosos.

  • “(…) - Eu não acredito em você.
  • Snow balança a cabeça numa fingida decepção. - Ah, minha querida srta. Everdeen.
  • Pensei que nós havíamos concordado não mentir um para o outro.”

Sempre que me perguntam sobre minhas séries favoritas logo falo de Jogos Vorazes, mas agora possuo um constante peso no coração, sei que aqueles que começarem sempre vão querer terminar de ler toda a série, mas nunca vou poder garantir que eles vão gostar do que irão encontrar. Ao finalizar a leitura de “A esperança” uma coisa não sai da minha cabeça: “Como vou ter coragem para reler isso um dia?”

Finalmente entendi porque essa série meche tanto com nós leitores, Suzanne tem o dom de colocar EMOÇÃO em suas narrativas, não digo uma emoção boa ou ruim, simplesmente emoção, ler esses livros nos faz sentir mais vivos do que nunca, e sofremos tanto porque tudo é muito real, realmente real, durante a leitura sabemos que tudo o que aconteceu poderia acontecer em qualquer rebelião, e apesar de possuir um bom motivo nenhuma guerra é boa. Nós sentimos como podemos ser facilmente manipulados e como podemos manipular, como uma única pessoa pode decidir o destino de vida ou morte para milhões, aqui ou em Panem, o ser humano e sua capacidade para fazer o bem ou o mal é o mesmo, e isso nos assusta.

Nunca vamos poder falar de Jogos Vorazes sem lembrar de Katniss, o nosso corajoso Tordo, e Peeta um personagem que apesar de tudo, não perdeu a sua bondade. A guerra não afetou a personalidade desses protagonistas, e ao pensar neles e em tudo o que eles enfrentaram, recomeço a chorar. Admiração, tristeza, coragem, raiva, emoções que sempre vou sentir quando penso na série Jogos Vorazes, que não possui uma história feliz, mas com a sua conquistadora realidade nunca vai deixar de fazer parte das séries que marcaram a minha vida.

  • “Sou o pássaro de Cinna, inflamando, voando freneticamente para escapar de
  • algo inescapável. As penas flamejantes que crescem de meu corpo.
  • O bater das asas apenas faz com que as chamas se movam.
  • Estou me consumindo, porém indefinidamente.”
Trilha sonora obrigatória: "The Hanging Tree" (A árvore-forca)

  • “Estou perdendo a noção. Vou ficar maluco. Como eles.” (…)
  • “Eu me aproximo e dou um beijo na boca de Peeta.” (…)
  • “Não deixe que ele o tire de mim.”(…) “- Não, eu não quero…”
  • “Seguro as mãos dele com tanta força que chega a doer.
  • - Fique comigo.
  • (…) “– Sempre -  murmura ele.”

  

“E que a sorte esteja sempre ao seu favor!”

12 comentários:

  1. Gaaaaaabi! Quanto tempo :D
    Ainda não li "Em Chamas", então nem li a resenha ): Preciso muito ler logo o segundo livro, estou tão curiosa ><

    Beijos, World of Carol Espilotro x

    ResponderExcluir
  2. Hey Gabi o/
    Ain menina, tem spoilers então estou evitando UAHSUAHS Eu tenho vergonha, ainda não li nem o primeiro volume dessa trilogia. Eu sei, preciso ler, preciso ler. Vou ler, só não sei quanto UASHUAHSUAS Enfim, não li a resenha por causa dos spoilers, mas ela deve estar linda <3

    Beijos, Vanessa.
    This Adorable Thing

    ResponderExcluir
  3. a É UMA TRILOGIA POR ISSO NÃO ENTENDI NADA VOU TENTAR ACHAR A RESENHA DESSA COLEÇÃO

    ResponderExcluir
  4. Ai gabis essa do "chorei por nao poder fazer nada pra mmudar" me deixou tensa!

    ResponderExcluir
  5. Ai, só posso dizer isso ao ler parte da resenha.. Ainda não li nenhum livro de Jogos Vorazes, embora tenha os livros me esperando na estante, mas confesso que ler sabendo que não posso me apegar aos personagens, o que é inevitável é bem assustador para mim. É ótimo ler uma autora que não tenha medo de surpreender seus leitores com uma reviravolta radical ou com a morte de personagens queridos, mas não posso evitar é mais forte que eu, sempre desejo que estes personagens fiquem 'felizes para sempre' o que pelo visto não acontece nesta trilogia.
    E eu preciso comentar que na minha ignorância da história da trilogia achava que o título esperança seria um sinal positivo de que as coisas terminariam bem, acredito que este foi outro equivoco, conforme o mencionado na resenha esperança é algo que falta no livro...
    Me arrepiei toda com o final da sua resenha, é sempre positivo SENTIR quando lemos um livro, definitivamente isto é sinal de um bom livro o que não significa um final feliz.
    Irei ler, mas confesso que já inicio minha leitura com certa tristeza.
    A resenha tá linda.

    ResponderExcluir
  6. Olá Gabi!
    Lendo sua resenha encontrei exatamente o que eu senti lendo esse livro. ele é extremamente forte. Queria saber o porquê de ele estar na categoria infanto-juvenil, tem umas cenas muito perturbadoras. Collins realmente não tem pena dos personagens, o que Peeta passou foi horrível, e pior ainda é saber que pessoas tem experiências parecidas na vida real. É realmente quase doloroso se divertir lendo um livro com ma carga emocional assim tão grande.

    Abraços!
    Lizzie
    http;//ahiddepalace.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Spoilers me deixam com mais curiosidade de ler Jogos Vorazes kk *-* Já me falaram que é muito bom, mas ainda não tive a oportunidade de ler. Quem sabe mais tarde rs.
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. adorei a resenha ela agora me fez quere comprar todos os livros o do jogos vorazes e o em chamas e agora a esperança

    ResponderExcluir
  9. Eu não conhecia a série!!!!
    Preciso de dinheiro pra comprar essa série *-*

    ResponderExcluir
  10. “Sou o pássaro de Cinna, inflamando, voando freneticamente para escapar de
    algo inescapável. As penas flamejantes que crescem de meu corpo.
    O bater das asas apenas faz com que as chamas se movam.
    Estou me consumindo, porém indefinidamente.”

    ESSA FRASE ME RESUME TOTALMENTE *--*
    QUERO LER LOOGO !

    ResponderExcluir
  11. adorei a resenha me dar vontade de ler os livros pena que não posso comprar por agora o dinheiro esta curto rss. abraços.

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo