A Nova Tendência: Literatura Distópica

Depois de vampiros e anjos, a literatura distópica é a que mais vem ganhando força entre os jovens leitores, literatura esta que possui uma mensagem bem forte sobre críticas aos governos e a busca pela liberdade. Mas o que é exatamente a literatura distópica? Todos já devem ter ouvido falar em Utopia, que é um termo utilizado para designar uma civilização ou sociedade perfeita, tanto no futuro quanto no presente, mas de forma paralela. Distopia é o contrário da utopia. Enquanto que na utopia vemos uma sociedade absurdamente otimista, na distopia vemos um governo dominando a vontade da população, com um alto controle sobre a vida da mesma.

O grande impulsionador desse estilo é o famoso Jogos Vorazes, da escritora Suzanne Collins. Quem ler Jogos Vorazes vai reconhecer a Capital como forma de governo totalitário e perceberá que a população de Panem vivem à mercê da pobreza, vivendo de forma subumana e sem nenhuma liberdade. Por se tratarem de livros que possuem messagens tão fortes e enredos bem construídos, resolvi criar este post onde apresentarei para vocês aguns dos livros que vem com essa marca de literatura distópica #amo.

No mundo de “Gone” de Michael Grant, não há mais só restam os jovens, misteriosamente todos que completam 14 somem. A fome é uma ameaça. Os valentões tentam dominar todos os outros. Uma criatura sinistra está à espreita. Os animais estão sofrendo mutações, e os próprios jovens estão mudando, desenvolvendo novos talentos – poderes inimagináveis, perigosos e mortais. É um mundo novo e aterrorizante. Cada um terá de escolher o seu lado para a batalha que se aproxima. Os moradores locais contra os riquinhos. Os fortes contra os fracos. As aberrações contra os normais. E o tempo está acabando: no dia do seu aniversário, você vai desaparecer, como todos os outros.

“Divergent” de Veronica Roth se passa na antiga e distópica Chicago. A sociedade é dividida em cinco facções, cada uma dedicada ao cultivo de uma virtude – Candor (A Honestidade), Abnegation (Altruísmo), Dauntless (A Coragem), Amity (A Paz) e Erudite (A inteligência). No dia marcado de cada ano, todos com 16 anos devem escolher uma facção ao qual irão dedicar o resto de suas vidas. Para Beatrice, a decisão está entre ficar com sua família e ser quem ela realmente é – Ela não pode ter os dois. Então ela faz uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma.

Na distopia Matched” (Destino) criada por Ally Condie, o futuro parece muito tranquilo. O governo, a quem todos chamam agora de Sociedade, é que decide onde se deve morar, o que comer, onde trabalhar, como se divertir, com quem se casar e quando se deve morrer. A protagonista Cassia tem absoluta confiança nas escolhas que a Sociedade lhe reserva. Ter o futuro definido pelo sistema é um preço aparentemente pequeno a se pagar por uma vida tranquila e saudável e pela escolha do companheiro perfeito para formar uma família. Mas será que a Sociedade realmente é perfeita?

“Incarceron” de Catherine Fisher é uma prisão futurista, fechado a todos, onde os descendentes dos prisioneiros originais vivem em um mundo escuro dilacerado por rivalidades e selvageria. É uma mistura terrível de alta tecnologia, uma típica câmara de tortura medieval  – correntes, grandes salões, masmorras. Um jovem prisioneiro, Finn, tem visões assombrosas de uma vida anterior, e não pode acreditar que ele nasceu e sempre esteve ali. No mundo exterior, Claudia, filha do Guardião de Incarceron, está presa em sua própria forma de prisão. Ela não sabe nada de Incarceron, exceto que ele existe. Mas chega um momento em queFinn, dentro Incarceron, e Claudia, no exterior, encontram um dispositivo simultaneamente – uma chave de cristal, através do qual eles podem conversar um com o outro. E assim o plano de fuga Finn nasceu!

Na sociedade futurística de  “Feios” de Scott Westerfeld,  todos os adolescentes esperam ansiosos o aniversário de 16 anos, pois então serão submetidos a uma inacreditável cirurgia plástica, que corrigirá todas as suas imperfeições físicas, transformando-os em perfeitos. Tally, porém, acaba se envolvendo em uma conspiração e descobrirá que, por trás de tanta perfeição, se esconde um terrível segredo. A Série permaneceu entre os best seller do New York Times por vários meses.

Em “Delirium” da Lauren Oliver, antes dos cientistas encontrarem a cura, as pessoas pensavam que o amor era uma coisa boa. Elas não entendiam que uma vez que o amor – o delírio – floresce em seu sangue, não há como escapar. As coisas são diferentes agora. Os cientistas conseguem erradicar o amor e os governos exigem que todos os cidadãos recebam a cura quando completam dezoito anos. Lena Holoway sempre anseou o dia em que ela estaria curada. Uma vida sem amor é uma vida sem dor: segura, medida, previsível e feliz. Mas com 95 dias restantes até o seu tratamento, Lena faz o impensável: ela se apaixona.E

Em “Maze Runner” de James Dashner, ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho. Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam A Clareira, um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador.

Todd Hewitt de “O motivo” de Patrick Ness, é um garoto de doze anos, o último menino de Prentisstown, uma cidade de homens. Ele vive em um mundo cheio de ruídos em que os pensamentos privados de todo homem e animal são audíveis. Em um mês ele terá treze anos e será um homem. Mas a cidade está mantendo segredos para ele, segredos que vão forçá-lo a fugir do prefeito e dos homens de Prentisstownjunto com seu cachorro e a primeira garota que ele já conheceu.

Em “Eve” de Anna Carey, o ano é 2032, dezesseis anos após um vírus mortal – e a vacina que deveria proteger contra ele – ter dizimado a maioria da população da Terra. Na noite antes da formatura de Eve, 18 anos, na sua escola só para meninas, ela descobre o que realmente acontece aos recém-formados, e o terrível destino que lhe aguarda. Fugindo da única casa que ela conheceu, Eve sai em uma longa e traiçoeira jornada procurando por um lugar em que ela possa sobreviver. Ao longo do caminho ela encontra Caleb, um forte e rebelde garoto vivendo de modo selvagem. Separada de homens a sua vida toda, Eve foi ensinada para temê-los, mas Caleb aos poucos ganha sua confiança… e seu coração. Ele promete protege-la, mas quando os soldados começam a caça-los, Eve deve escolher entre o verdadeiro amor e sua vida.

O grande impulsionaDOr: Jogos Vorazes

Os clássicos distópicos:

Fontes: Sobre LivrosO capítulo do livro

9 comentários:

  1. gostei bastante do post, e concordo 100% com você!
    só acho que faltou colocar aí nos "clássicos" Brave New World, que é, tipo, um dos primeiros que foram publicados.
    beijos!

    ResponderExcluir
  2. Adorei o post. Explicou muito bem a nova tendência literária que por sinal é muito boa. Ontem acabei de ler A Esperança (¬¬') e com certeza HG foi o que impulsionou tudo isso. Adorei o post. Muito bom mesmo!

    ResponderExcluir
  3. Gabi adorei muito esse post, eu já conhecia um pouco desse estilo, mas eu não sabia que alguns dos livros que você apresentou eram desse estilo. Adorei muito.

    Um abração

    ResponderExcluir
  4. Me tirasse uma grande dúvida, eu sempre ficava aqui me perguntando o real significado da expressão "distopia". Quando li o post logo me veio na cabeça a imagem de "Destino".

    Balaio de Livros.

    ResponderExcluir
  5. Oi Gabi! :D
    Nossa, preciso dizer que eu adorei esse post. *-*
    Tipo, eu não sabia que havia esse nome para classificar esse tipo de literatura, mas acho que é a que eu mais gosto no momento.
    Algumas pessoas leem sem perceber, mas quando paramos para analisar as entrelinhas com um pouco mais de atenção, vemos uma forte crítica a muitas coisas na sociedade moderna.

    Gostei muito do post. Parabéns! *-*
    Ainda não li todas essas séries, mas muitas estão na minha lista de desejados, e espero ler em breve.

    Bjuu' (:

    ResponderExcluir
  6. Prefiro essa nova tendencia distópica...

    Muito bom esse post.

    ResponderExcluir
  7. Parabéns pelo post, realmente muito interessante ;D

    ResponderExcluir
  8. Amei o post. Penso em fazer uma pesquisa nessa área da literatura. Seu post ajudou bastante. Obrigado :)

    ResponderExcluir
  9. Depois q li seu post, ja li divergente, destino, e feios, as trilogias completas. Estou lendo extras agora! E sempre volto aqui pra ver as dicas, agora partirei pra delirium. Obrigada pelas dicas, abraços

    ResponderExcluir

Adoro receber críticas construtivas! :)
Sempre que posso reservo um tempo para responder todos os comentários!
Obrigada desde já pelo carinho!

xoxo

© Mundo Platônico Todos os direitos reservados.
Criado por: Gabriela Morgante.
Tecnologia do Blogger.
imagem-logo